Dicionário Histórico-Biográfico das Ciências da Saúde no Brasil (1832-1930)
Casa de Oswaldo Cruz / Fiocruz – (http://www.dichistoriasaude.coc.fiocruz.br)

 

 

SIGAUD, JOSÉ FRANCISCO XAVIER

Outros nomes e/ou títulos: Sigaud, Joseph François Xavier; Xavier Sigaud

 

 

DADOS PESSOAIS
TRAJETÓRIA PROFISSIONAL
PRODUÇÃO INTELECTUAL
FONTES
FICHA TÉCNICA

 




 

 

 

 

 

 

 

DADOS PESSOAIS

José Francisco Xavier Sigaud nasceu em Marseille (França), em 2 de dezembro de 1796, e era filho do negociante Jeronymo Sigaud e de Marie Catarine Eyglument. Casou-se com Eugene Jeanne Genevieve Fargés, com quem teve as filhas, Victorine Sigaud Souto, que foi a fundadora da Associação Promotora do Ensino dos Cegos criada em 1888, Adèle Marie Louise Sigaud, Camile Sigaud, e um filho Eugenio Pierre Sigaud (SIGAUD, 2011).

Em 4 de maio de 1844, foi condecorado pelo rei da França, Louis Philippe I, com a Cruz da Ordem Real da Legião de Honra, e em 2 de dezembro do mesmo ano foi agraciado pelo Imperador D. Pedro II, como Cavalheiro da Ordem Imperial do Cruzeiro. Naturalizou-se brasileiro em 1854.

Faleceu no Rio de Janeiro em 10 de outubro de 1856.

Início

 

 

TRAJETÓRIA PROFISSIONAL

José Francisco Xavier Sigaud, era bacharel em letras, e iniciou seus estudos na Faculté de Medicine de Montpellier (França). Doutorou-se em medicina pela Faculté de Médecine de Strasbourg, em 7 de setembro de 1818, com a tese "Recherches et observations sur la phthisie laryngée". Já formado, iniciou suas atividades profissionais em Lyon (França), sendo admitido, por concurso, no Hôpital de la Charité desta cidade, onde atuou como cirurgião-interno e posteriormente como cirurgião-mor.

Em decorrência da perseguição política no contexto antibonapartista do reinado (1824-1830) de Charles X na França, Sigaud imigrou para o Brasil, desembarcando na cidade do Rio de Janeiro em 7 de setembro de 1825, cidade onde se estabeleceu. José Francisco Xavier Sigaud veio recomendado por carta de Ange Hyacinthe Maxence de Damas de Cormaillon, Barão de Damas e então Ministro dos Negócios Estrangeiros da França, a Jacques-Marie Aymard, Conde de Gestas e Cônsul Geral da França no Brasil. Esta correspondência recomendava Sigaud como médico e naturalista, com interesse em realizar estudos no campo da história natural e clinicar (FERREIRA, 2009).

No Rio de Janeiro, local onde realmente desenvolveria sua carreira médica, conheceu seu compatriota o livreiro-editor Pierre Plancher, de quem viria a se tornar amigo e sócio, e principal colaborador no periódico Spectador Brasileiro, editado por Plancher.

Em 1829, José Francisco Xavier Sigaud, juntamente com Joaquim Cândido Soares de Meirelles, José Martins da Cruz Jobim, Luís Vicente De Simoni e Jean Maurice Faivre, fundou a Sociedade de Medicina do Rio de Janeiro, cujas reuniões preparatórias foram realizadas nas residências dos médicos, inclusive na de José Francisco Xavier Sigaud, situada na rua do Rosário, nº 185. Coube a ele, a incumbência da redação do projeto dos estatutos da fundação desta sociedade, e foi, ainda, seu presidente em várias ocasiões (1º trimestre 1830, 1º e 2º trimestres 1832, 1851-1852).

Foi responsável pela criação do primeiro jornal da Sociedade de Medicina do Rio de Janeiro, intitulado O Semanário de Saúde Pública, lançado em 3 de janeiro de 1831 e publicado até 1835, tendo dirigido o periódico juntamente com José Maria Cambuci do Valle e Fidélis Martins Bastos. Em 1835 aliou-se novamente a seu amigo Plancher para editar o Diario de Saude ou Ephemerides das sciencias medicas e naturaes do Brazil, que existiu até 1836, tendo como companheiros de redação o médico Francisco de Paula Cândido e Francisco Crispiniano Valdetaro, médico e professor das princesas filhas de D.Pedro II. Nas páginas deste periódico publicou parte do material que viria a constituir sua obra "Du climat et des maladies du Brésil ou statistique médicale de cet Empire" (1844).

Em 12 de novembro de 1833 foi nomeado, por José Bonifácio de Andrada e Silva, médico honorário da família imperial pelos serviços prestados a D. Pedro II, especialmente no tratamento de uma moléstia que acometera o Imperador. Em 1840 foi efetivado como médico da Imperial Câmara.

Dirigiu, em 1849, o serviço de medicina da Casa de Saúde do Saco do Alferes, inaugurada neste mesmo ano na rua do Saco do Alferes nº 253 (posteriormente rua de Santo Cristo dos Milagres), no centro do Rio de Janeiro. Nesta Casa de Saúde participaram do quadro de médicos José Martins da Cruz Jobim, Joaquim Cândido Soares de Meirelles, Manoel do Valladão Pimentel, Manoel Feliciano Pereira de Carvalho e Luís Vicente De Simoni.

Seu consultório particular localizava-se à rua da Misericórdia nº 36, no centro da cidade do Rio de Janeiro.

Em 15 de julho de 1843 José Francisco Xavier Sigaud viajou para a França, com o intuito de buscar informações sobre a enfermidade (amaurose) que acometera a visão de sua filha e para editar seu livro "Du Climat et des Maladies du Brésil". Nesta ocasião, em Paris, tendo em vista suas relações com Jean-Baptiste Debret (1768-1848) e Angel Renzi, respectivamente membro e administrador-tesoureiro do Institut Historique de France, Sigaud foi recebido em uma das sessões desta sociedade, realizada em 17/01/1844, e fez a leitura de sua memória "Sur les progrès de la Géographie au Brésil et sur la necessite de dresser une carte générale de cet Empire". Esta sua memória foi publicada no periódico L ´Investigateur. Journal de institut historique. Contou, também, com a colaboração do escritor e viajante Jean Ferdinand Denis (1798-1890) especialmente pela cessão de documentos raros para sua obra, a qual foi publicada em Paris em 1844. Sua obra, "Du climat et des maladies du Brésil ou statistique médicale de cet Empire", foi muito bem recebida na França, especialmente na Academie Royal de Médecine de Paris, tendo sido inclusive condecorado com a Cruz da Ordem Real da Legião de Honra.

Para o historiador Luiz Otávio Ferreira, "Du climat et des maladies du Brésil ou statistique médicale de cet Empire" foi:

"Escrito sob a influência do neo-hipocratismo, exigiu de Sigaud vasto conhecimento da história natural, cultural e social das províncias do Império do Brasil. Seu pressuposto teórico era que existia forte correlação entre os fenômenos patológicos, o ambiente natural e o padrão sócio-cultural vigente. Isso explica a estrutura do livro: quatro partes dedicadas, respectivamente, ao detalhamento da climatologia, da geografia médica, da patologia intertropical e da estatística médica do Brasil. A obra enciclopédica revela o talento de Sigaud como higienista e historiador da saúde. Fazendo uso de vasto repertório de fontes, apresenta uma síntese do conhecimento então disponível sobre a saúde no país. Além disso, não é exagerado afirmar que o livro deu início à tradição de investigação científica dedicada ao tema das "doenças nacionais", que sobreviveria ao esgotamento do modelo higienista clássico. (....) O capítulo que contém o esboço biográfico dos médicos, cirurgiões e naturalistas do Brasil resulta de um inventário realizado por Sigaud com o objetivo de construir a genealogia da medicina nacional." (FERREIRA, 1998)

Sigaud incorporou em sua publicação "obras médicas nacionais e estrangeiras, em especial aquelas sobre as moléstias tropicais e as doenças dos escravos (Dazille, Levacher, Lind, Rush, Pinto de Azeredo etc.), e muitos relatos de cronistas, viajantes e naturalistas. Entre estes, estão Marcgrave, A. de Saint-Hilaire, Spix e Martius, Koster, Lindley, D'Orbigny, La Condamine e Humboldt, modelo cuja inspiração o médico francês evoca na introdução de seu livro" (ODA, 2008).

José Francisco Xavier Sigaud retornou da França para o Brasil em 10 de agosto de 1844, onde sua obra foi igualmente bem recebida, tendo o Imperador distinguido-o com a nomeação de Cavaleiro da Ordem Imperial do Cruzeiro, e a Academia Imperial de Medicina o acolhido com elogios.

Em 1850 integrou a Comissão Central de Saúde Pública, destinada à prevenção da febre amarela, presidida pelo médico Cândido Borges Monteiro, e da qual participavam também Manoel de Valladão Pimentel, Roberto Jorge Haddock Lobo, José Maria de Noronha Feital, Joaquim José da Silva, Luís Vicente De Simoni, Antônio Felix Martins e José Pereira Rego.

José Francisco Xavier Sigaud destacou-se também por sua ampla atividade no setor editorial, tendo participado, juntamente com Pierre Plancher, da fundação, em 1827, do Jornal do Commercio, que se tornaria um dos mais importantes jornais de grande circulação na capital do Império. Foi, ainda, fundador e diretor do periódico L´Asclépiade, journal de médecine, chirurgie et pharmacie. Tome I [II] 1823-2824. Répertoire médico-chirurgical, jornal médico que manteve na Europa de 1823 a 1825, quando participava como secretário da Société Royal de Médecine de Marseille, onde publicou numerosos artigos e comentários, inclusive uma memória sobre a grande epidemia de febre amarela que assolou Barcelona em 1822. E foi redator do L ´Observateur Provençal des Sciences Médicales, dédié a Hippocrate (1821), editado por Pierre Martin Roux.

Juntamente com José Apolinário Pereira de Morais e Francisco Crispiniano Valdetaro, fundou do periódico Aurora Fluminense, jornal de cunho político lançado em 21/12/1827, cuja redação passou posteriormente para Evaristo Ferreira da Veiga. Foi editor de O propagador das sciencias medicas ou Annaes de medicina, cirurgia e pharmacia para o império do Brazil e nações estrangeiras, que circulou no Rio de Janeiro entre 1827 e 1828, considerado o primeiro a abordar assuntos farmacêuticos no Brasil, e sobre o qual assim referiu-se José Francisco Xavier Sigaud:

"O nosso jornal - prossegue o editorial - aberto, com uma área a todos os escritores e a todas as opiniões, espera sobretudo dos senhores discípulos numerosas produções literárias às nações estrangeiras, sempre inclinadas a cobrir de opróbio os novos Estados da América, que não é por inércia de espírito nem de caráter que os jovens médicos e cirurgiões brasileiros tem guardado o silêncio até o dia de hoje, porém sim, porque esperavam o útil estabelecimento de uma coleção periódica para nela deporem observações práticas e ensaios polêmicos sobre os diversos ramos da Arte de Curar". (Apud FERNANDES, 1982, p.130)

Participou da criação do Imperial Instituto dos Meninos Cegos, estabelecido pelo decreto nº 1.428, de 12 de setembro de 1854. A criação desta instituição foi inspirada no Institut des Enfants Aveugles, em Paris, onde o jovem cego José Álvares de Azevedo, filho de Manoel Álvares de Azevedo, havia estudado. Este ao retornar ao Brasil se ofereceu para ser professor de Adèle Marie Louise Sigaud, filha de Sigaud, cega desde 15 anos de idade, o que motivou a José Francisco Xavier Sigaud a empenhar-se pela criação de uma instituição nos moldes da francesa. Sigaud apresentou o jovem professor ao Imperador D.Pedro II, de quem Sigaud era médico particular, de forma a estimular a criação de tal instituição. O Imperial Instituto dos Meninos Cegos recebeu o apoio do Imperador D. Pedro II, e foi inaugurado em 17 de dezembro de 1854 na Chácara, nº3, do Morro da Saúde, próximo à Praia do Lazareto, na cidade do Rio de Janeiro. Sigaud foi seu primeiro diretor e permaneceu no cargo até a data de sua morte. Adèle Marie Louise Sigaud, sua filha, foi a primeira aluna, e posteriormente professora de primeiras letras e de música do mesmo instituto.

Integrou a diretoria da Associação Paternal, filiada em 1843 à congênere existente em Lyon (França) e que tinha como objetivo a educação católica da mocidade (LOS RIOS FILHO, 2000).

José Francisco Xavier Sigaud participou de diversas sociedades científicas nacionais e estrangeiras, tendo colaborado com a criação de muitas destas associações. Foi membro efetivo do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, da Sociedade Auxiliadora da Indústria Nacional e da Sociedade de Instrução Elementar. Em sociedades estrangeiras foi membro titular e secretário-adjunto da Société Royale de Médecine de Marseille, membro correspondente do Athénée Médical de Montpellier, e membro da Société de Médecine du Canton de Genebre, da Sociedad Medica de Barcelona, da Société de Médecine de Nantes, da Société Medicale d´Émulation, da Société de Médecine du Loire-Inférieure, e do Institut Historique de France, no qual foi ingressou como membro em 1844.

Nos últimos anos de sua vida dedicou-se, também, à elaboração do "Diccionario das plantas usuaes e medicinaes brazileiras", que permaneceu inédito. Na nota biográfica escrita por Caffe, membro da classe de história das ciências sociais e filosóficas, físicas e matemáticas do Institut Historique de France, e publicada no periódico L´Investigateur: journal de institut historique registrou-se trecho de uma correspondência de Sigaud a esta publicação, na qual referia-se à elaboração deste dicionário:

"Je suis aujourd´hui dans ma retraite à faire une oeuvre pénible, celle de diriger dês jeunes aveugles, et, dans mês loisirs, je cherche à completer mon dictionnaire dês plantes du Brésil; si j´améne ce travail à bonne fin, je crois qu´em 1857 il faudra encore passer la mer, aller vous rendre visite pour soigner l´impression de ce dictionnaire, et tenter une deuxième édition du Climat et des Maladies du Brésil". (CAFFE, 2011, p.159)

Teve seu necrológio escrito por Antônio Felix Martins, lente de patologia geral da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro.

Em 19 de junho de 1859 foi inaugurado um pedestal em homenagem a Sigaud no salão nobre do Imperial Instituto dos Meninos Cegos, com os seguintes dizeres: "J. F. X. Sigaud collaborador de J.A.Azevedo na fundação do Instituto dos Meninos Cegos e primeiro director do mesmo instituto". Em 1890 o instituto, então denominado Instituto Benjamim Constant, foi transferido para o prédio na Praia da Saudade (atual Avenida Pasteur, Bairro da Urca), na cidade do Rio de Janeiro, e nas proximidades deste novo prédio posteriormente foi aberta uma rua a qual foi denominada como Rua Dr. Xavier Sigaud.

Início

 

 

PRODUÇÃO INTELECTUAL

- "Recherches et observations sur la phthisie laryngée, dissertation présentée, le 7 septembre 1818".  Strasbourg, de L ´Imp. de Levrault, 1818.
- "Mémoires sur la fièvre jaune, recueillis et publiés par A. Flory et J. Sigaud, docteurs-médecins".  Marseille, Paris: Gabon, 1822.
- "Plano de um Jornal de Medicina apresentado à Sociedade de Medicina do Rio de Janeiro, pelo Sr. Dr. Sigaud, e por esta adotado na sua sessão de 21 de Outubro de 1830". Semanario de Saude Publica, Rio de Janeiro, n.1, p.1-4, 1831.  
- "Discurso sobre o estado actual da pharmacia no Rio de Janeiro, lido na Sociedade de Medicina". Rio de Janeiro: Imperial Typ. de E. Seignot-Plancher, 1832.     
- "Discurso sobre a statistica medica do Brazil, lido na Sociedade de Medicina do Rio de Janeiro, na sessão pública de 30 de junho de 1832, anniversario da Fundação da Sociedade". Rio de Janeiro: Typog. Imp. E Const. De Seignot-Plancher e Cia., 1832.   
- "O homem benfasejo ou das vantagens que resultão da fundação da Caixa Economica dos povos civilizados", de Pierre-Édouard Lémontey. Publicada por Sigaud. Rio de Janeiro: Typ. Imperial e Constitucional de Seignot-Plancher & Cia., 1832. Biblioteca Constitucional do Cidadão Brazileiro, v.XII.
- "Reflexões acerca do trânsito livre dos doidos pelas ruas da cidade do Rio de Janeiro". Diario de Saude ou Ephemerides das sciencias medicas e naturaes do Brazil. Rio de Janeiro, 1835.    
- "Esboço estatistico das operações da talha praticadas no Rio de Janeiro, Bahia, etc". Diario de Saude ou Ephemerides das sciencias medicas e naturaes do Brazil. Rio de Janeiro, p.233 e 241, 1835.
- "Biographia de Manoel Bernardes Pereira da Veiga, Barão de Jacutinga". Diario de Saude ou Ephemerides das sciencias medicas e naturaes do Brazil. Rio de Janeiro, p.295, 1835.   
- "Necrologia de Manoel Ferreira da Camara Bittencourt". Diario de Saude ou Ephemerides das sciencias medicas e naturaes do Brazil. Rio de Janeiro, p.317, 1835.
- "Du climat et des maladies du Brésil ou statistique médicale de cet Empire par J.F.X.Sigaud" . Paris: Chez Fortin, Masson & Cie., Libraires, 1844.    
- "Sur les progrés da la geographie au Brésil et sur la necessité de dresser une carte générale de cet Empire". L´Investigateur, Journal de institut historique, Paris, Livraisons 114 a 124, XVIe volume, p.8-15, janvrier à décembre, 1844.
- Rapport. "Sur les Discours officiels du commandeur Jean Antoine de Miranda, ex-président des provinces du nord du Brésil, Ceara, Marauham et Para, pendant lês années 1839, 1840 et 1841".  L´Investigateur. Jjournal de institut historique, Paris, Livraisons 114 a 124, XVIe volume, p.446-447, janvrier à décembre, 1844.
- " Parecer da Comissão Especial acerca dos ossos fósseis remetidos de Cantagalo por M.Jacob van Erven. Rio de Janeiro, 23 de dezembro de 1845. (Assignados)  Dr. Duarte de Ponte Ribeiro - Dr.J. F. Sigaud - Theodoro Villardebo". Revista Trimental de História e Geographia ou Jornal do Instituto Histórico e Geographico Brazileiro, Rio de Janeiro, tomo sétimo, n.25, p.519-523, abril de 1845.
- "Annuario político, estatístico e histórico do Brazil, 1o e 2o annos".  Paris: [s.n.], 1846-1847.
- "Memoria sobre a perfuração do tubo digestivo pelos vermes".  Annaes Brasilienses de Medicina, Rio de Janeiro, p.121, 192 e 265, 1847-1848.          
- "Elogio historico do Secretario perpetuo conego Januario da Cunha Barboza, pelo Socio effectivo o Sr.Dr.J.F.Sigaud". Revista Trimestral de História e Geografia ou Jornal do Instituto Histórico e Geographico Brazileiro, Rio de Janeiro, segunda série, tomo 11, p. 185-195, 1848.   
- "Carta a Freire Allemão, dizendo que já se encontrava em condições de entrar de semana como médico do Imperador". [Manuscrito]. [s.l.], 09/08/1849.   
- "Requerimento à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro". Rio de Janeiro: [s.n.], 1853.  
- "Diccionario das plantas usuaes e medicinaes brazileiras". [s.l.]: [s.n.], [s.d.].
- "Boletim de saude das Princesas D. Isabel e D. Leopoldina, passado pelo Dr. Sigaud". [Manuscrito]. Tijuca, 22/02/ ?.                
- "Carta ao amigo Chousine, enviando receita baseada na Botanica-Médica". [Manuscrito]. 30/04/1899.

Início

 

 

FONTES

- ARAÚJO, Carlos da Silva. Fatos e personagens da história da medicina e da farmácia no Brasil. Rio de Janeiro: Revista Continenti Editorial Ltda., 1979.  (BCOC)
- ASSOCIAÇÃO PROMOTORA DO ENSINO DOS CEGOS. Historia. Capturado em 13 out. 2011. Online. Disponível na Internet: http://www.apec.org.pt/
- BLAKE, Augusto Victorino Alves Sacramento. Diccionario Bibliographico Brazileiro. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1893. v. 4.      (BCOC)
- CAFFE. Notice biographique sur M. Sigaud, Médecin de L´Empereur du Brésil. L`Investigateur: journal de institute historique. VIIe tome de la IIIe série, p. 156-159,  janvrier à decembre 1857. Online. Capturado em 16 dez. 2011. Disponível na Internet: http://books.google.com.br/books
- CARRARO, Elaine Cristina. O Instituto Histórico de Paris: elementos para uma pré-história da sociologia. Campinas, 2009. Tese (Doutorado em Sociologia) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, UNICAMP, 2009. Online. Capturado em 20 dez. 2011. Disponível na Internet: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br
- FERNANDES, Reginaldo. O Conselheiro Jobim e o espírito da medicina do seu tempo. Brasília: Ed. do Senado Federal, 1982.   (BCOC)
- FERREIRA, Luiz Otávio. José Francisco Xavier Sigaud: um personagem esquecido, uma obra reveladora. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v.V, n.1, p.125-126, mar./jun.1998. Capturado em 5 mai. 2003. Online. Disponível na Internet:  http://dx.doi.org/10.1590/S0104-59701998000100007
- FERREIRA, Luiz Otávio. Introdução: José Francisco Xavier Sigaud e a tradução local do higienismo. In: SIGAUD, J.F.X. Do clima e das doenças do Brasil ou estatística médica deste império. Trad. de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Editora Ficoruz, 2009. p. 17-26.    (BCOC)
- GUIA de pagamento passado pelo Ministério do Império, relativo a Diploma da Ordem do Cruzeiro, concedido ao doutor Jose Francisco Sigaud. 1845.     (BN)
- GUIMARÃES, Joil Menezes. Ano do Sesqüicentenário do Sistema Braille no Brasil. Espaço Braille. Capturado em 5 mai. 2003. Online. Disponível na Internet: http://www.universoespirita.org.br/braille%20e%20esperanto/texto%20joil.htm.
- [JOSÉ Francisco Sigaud]. Annaes Brasilienses de Medicina, Rio de Janeiro, p.218-220, 1858.   (ANM)
- KURY, Lorelai. Entre nature et civilisation les médecins brésiliens et l'identité nationale (1830-1850). Les Cahiers du Centre de Recherches Historiques , Paris, n.12, 1994. Online. Capturado em 13 dez. 2011. Disponível na Internet : http://ccrh.revues.org/index2751.html
- ODA, Ana Maria Galdini Raimundo. Da enfermidade chamada banzo: excertos de Sigaud e de von Martius (1844). Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental,  São Paulo,  v. 11,  n. 4, deZ.  2008 .  Online. Capturado em 13 dez. 2011. Disponível na Internet: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-47142008000500004
- QUÉRAD, J. M. La France Littéraire, ou Dictionnaire bibliographique des savants, historiens et gens de lettres de la France, ainsi que des littérateurs étrangers qui ont écrit en français, plus particulièrement pendant les XVIIIe et XIXe siècles. Paris : Chez Firmin Didot Frères, Librairies, 1838. Online. Capturado em 16 dez. 2011.  Disponível na Internet : http://www.archive.org/stream/lafrancelittrai03unkngoog/lafrancelittrai03unkngoog_djvu.txt
- RIBEIRO, Lourival. Figuras e fatos da medicina no Brasil. Rio de Janeiro: [s.n.], 1964.     (BCOC)
- LOS RIOS FILHO, Adolfo Morales de. O Rio de Janeiro Imperial. Rio de Janeiro: Topbooks Editora, 2000.      (BCOC)
- SANTOS FILHO, Lycurgo de Castro. História Geral da Medicina Brasileira. São Paulo: HUCITEC/EDUSP, 1991. v. 2.      (BCCBB)
- SIGAUD. Descendência de Jean Jerônimo Gaspar Sigaud. In: CEPESLE News - Revista Eletrônica de História, Genealogia e Afins. Capturado em 14 out. 2011. Online. Disponível na Internet: http://cepesle-news.blogspot.com/2008/04/sigaud.html
- VASCONCELOS, Vasco Joaquim Smith de. Médicos e cirurgiões da Imperial Câmara. Reinados de D. Pedro I e D. Pedro II. Campinas, São Paulo: [Academia Campinense de Letras], 1964.  (BN)

Início

 

 

FICHA TÉCNICA

Pesquisa - Maria Rachel Fróes da Fonseca, Rodrigo Borges Monteiro.
Redação - Maria Rachel Fróes da Fonseca, Rodrigo Borges Monteiro.
Revisão - Maria Rachel Fróes da Fonseca.

Início