Dicionário Histórico-Biográfico das Ciências da Saúde no Brasil (1832-1930)
Casa de Oswaldo Cruz / Fiocruz – (http://www.dichistoriasaude.coc.fiocruz.br)

 

 

MOREIRA, JULIANO

Outros nomes e/ou títulos:

 

 

DADOS PESSOAIS
TRAJETÓRIA PROFISSIONAL
PRODUÇÃO INTELECTUAL
FONTES
FICHA TÉCNICA

 

 

 

 

 

 

DADOS PESSOAIS

Juliano Moreira nasceu em 6 de janeiro de 1873, na Freguesia da Sé, na cidade de Salvador, então província da Bahia. Era filho de Manoel do Carmo Moreira Junior, português, e de Galdina Joaquim do Amaral, que trabalhava na residência de Adriano Alves Lima Gordilho, Barão de Itapuã. Foi criado pela mãe, e reconhecido posteriormente pelo pai, um funcionário municipal, inspetor de iluminação pública. Casou-se com Augusta Peick, enfermeira alemã que conheceu durante sua estadia em um sanatório na cidade do Cairo, para tratar da tuberculose.

Faleceu, em 2 de maio de 1933, no Sanatório de Correias, distrito da cidade de Petrópolis, Rio de Janeiro.

Início

 

 

TRAJETÓRIA PROFISSIONAL

Juliano Moreira iniciou seus estudos primários no Colégio Pedro II e os concluiu no Liceu Provincial, ambos na cidade de Salvador.

Ingressou, em 1886 na Faculdade de Medicina da Bahia, onde foi interno da cadeira de clínica dermatológica e sifiligráfica (1890), e onde se doutorou em medicina e cirurgia em 1891, com a tese intitulada “Syphilis maligna precoce”, merecedora de honrosas referências do sifilógrafo Frédéric Buret, mencionando-a no Journal des Maladies Cutanées et Syphilitiquese do professor Raymond Jacques Adrien Sabouraud (1864-1938), citando-a nos Annales de Dermatologie et Syphiligraphie. Juliano Moreira, embora contasse à época com apenas 18 anos de idade, já era conhecido internacionalmente nos meios acadêmicos, tornando-se referência para os estudos sobre a sífilis.

Foi assistente não remunerado da cadeira de clínica psiquiátrica e doenças nervosas (1893), da qual era catedrático João Tillemont Fontes, e preparador da cadeira de anatomia médico-cirúrgica (1894) na Faculdade de Medicina da Bahia, e médico adjunto no Hospital Santa Izabel, vinculado à mesma instituição.

De 1893 a 1903 foi alienista e médico-adjunto do Asylo São João de Deos, criado em 1874, vinculado à Santa Casa da Misericórdia da Bahia e, que foi posteriormente denominado Hospício São João de Deus (1922), Hospital São João de Deus (1925) e Hospital Juliano Moreira (1936).

Juliano Moreira, já formado, integrou diversas comissões sanitárias, tendo sido indicado pela Inspetoria de Higiene para a comissão médica que trataria da assistência aos indigentes acometidos de febres e disenteria na cidade de Bonfim e regiões próximas como a Vila de Campo Formoso. O relato desta experiência resultou na publicação, em 1894, do artigo “Endemo-epidemia da Jacobina”, “a primeira assinada com o nome por extenso Juliano Moreira na Gazeta Médica da Bahia” (GELMAN, 2006, p.40).

Publicou, em 1894, na Gazeta Medica da Bahia seu estudo sobre a enfermidade denominada botão endêmico, que era “uma minuciosa descrição das formas clínicas, com base em numerosos casos clínicos, e afirmava, pela primeira vez, a existência na Bahia e no Brasil do botão de Biskra, também chamado botão ou úlcera do Oriente ou botão endêmico dos países quentes” (JACOBINA, 2008). Publicou também no periódico Journal des maladies cutanées et syphilitiques, em 1895, um artigo sobre esta enfermidade, intitulado “Le bouton endemique des pays chaud observe a Bahia”.

Foi o primeiro no país a descrever a Hydroa vacciniforme, uma condição crônica de pele, tendo publicado os casos estudados a respeito desta enfermidade no British Journal of Dermatology em 1895 (EL-BAINY, 2007).

Juliano Moreira apresentou, em 1896, a tese intitulada “Dyskinesias Arsenicaes, nova contribuição, estado atual da questão”, que tratava da questão do envenenamento por arsênico, para o concurso de lente substituto da cadeira de clínica psiquiátrica e de moléstias nervosas da Faculdade de Medicina da Bahia. Suas provas repercutiram de forma impressionante naquela Faculdade, a ponto de alunos da 6ª série, como Julio Afrânio Peixoto, o terem reconhecido como doutorando honorário de sua turma. Este concurso foi marcado também por uma disputa acirrada e por uma atmosfera de ansiedade, pois ao fim de inúmeras avaliações Juliano Moreira foi aprovado, com 15 notas dez, contrariando àqueles que esperavam sua derrota, pelo fato de tratar-se de um candidato mulato que postulava uma colocação em uma instituição ainda com sérias restrições raciais (PICCININI, 2002).

Na Faculdade de Medicina da Bahia havia sido aluno de Raymundo Nina Rodrigues na primeira turma de Medicina Legal, e em 1896 tornou-se seu colega de docência, com a aprovação no concurso de lente para a cadeira de clínica psiquiátrica e doenças nervosas na mesma instituição.

Fez diversas viagens à Europa, entre 1895 e 1902, num roteiro que incluiu países como Alemanha, França, Inglaterra, Escócia, Bélgica, Holanda, Itália e Suíça, quando visitou as mais destacadas clínicas psiquiátricas e manicômios, e freqüentou cursos de diversas especialidades. Na área de doenças mentais, freqüentou os cursos dos neurologistas alemães Eduard Hitzig (1839-1907) e Friedrich Jolly (1844-1904), dos psiquiatras alemães Paul Emil Flechsig (1847-1929), Richard von Krafft-Ebing (1847-1902), e Emil Kraepelin (1856-1926). No campo da clínica médica contatou os médicos alemães Ernst Viktor von Leyden (1832-1910) e Carl Wilhelm Hermann Nothnagel (1841-1905), e o anatomista alemão Rudolf Carl Virchow (1821-1902). Nesta ocasião também assistiu às palestras do dermatologista francês Raymond Jacques Adrien Sabouraud (1864-1938), dos neurologistas franceses Joseph Jules Dejerine (1849-1917) e Georges Albert Édouard Brutus Gilles de la Tourette (1859-1904), e do psiquiatra francês Valentin Magnan (1835-1916) (HJM – Biografia, 2013).

Durante sua estadia na Europa, Juliano Moreira esteve no laboratório do Dermatologikum, um instituto para diagnóstico e tratamento das enfermidades dermatológicas em Hamburgo (Alemanha) chefiado pelo dermatologista alemão Paul Gerson Unna (1850-1929), onde realizou um estudo anatomopatológico, transformado em monografia e considerado como a mais completa análise até hoje efetuada sobre o assunto (ACADÊMICO, 1933).

No ano de 1902 realizou o estudo patológico do mycetoma e de Goundum, em casos observados na clínica do médico Antônio Pacheco Mendes, na cidade de Salvador.

Em 10 de novembro de 1902 licenciou-se da Faculdade de Medicina da Bahia e viajou para a cidade do Rio de Janeiro, onde assistiu ao ato de embalsamento do cadáver de seu amigo, mestre, e médico Manuel Victorino Pereira.

No início do governo do presidente Rodrigues Alves, em 16 de dezembro de 1902, tendo em vista irregularidades administrativas e orçamentárias, foi constituída uma comissão para avaliar a situação do Hospício Nacional de Alienados , antigo Hospício de Pedro II , e das colônias de alienados, integrada por Carlos Fernandes Eiras, Egydio de Salles Guerra, Francisco Manoel da Silva Araújo, e Antônio Maria Teixeira. O relatório desta comissão apresentou um quadro pouco favorável à instituição, então dirigida por Antônio Dias de Barros, descrevendo a instituição como um “ajuntamento vergonhoso que não é só ofensivo da moral, mas prejudicial também ao tratamento dos pequenos infelizes, cujo estado mental bem poderia melhorar si em outro meio recebessem cuidados adequados” (RELATÓRIO, 1903, Anexo B, p.5).

Em 26 de março de 1903, Juliano Moreira, que ainda se encontrava na cidade do Rio de Janeiro, foi nomeado diretor do serviço sanitário do Hospício Nacional de Alienados. Em 16 de julho do mesmo ano encaminhou uma exposição de motivos ao Ministro da Justiça e Negócios Interiores, na qual afirmou a importância da criação de uma lei geral de Assistência a Alienados e apresentou as bases para uma reforma do Hospício Nacional de Alienados, destacando inúmeros aspectos, entre estes:

“Tendo em vista o augmento de população da Capital Federal e as necessidades de receber doentes de outros Estados, torna-se de mais em mais necessário alargar as dependências do Hospício e augmentar os alojamentos das Colônias para onde serão transferidos todos os alienados indigentes, capazes de trabalharem no serviço de lavoura, incontestavelmente o melhor meio de occupar as actividades de alguns de entres elles. Muito lucraria a Assistência si o Estado fundasse uma colônia especial para epilépticos indigentes (....). (...). Entre as insufficiencias actuaes desse estabelecimento nota-se a falta de pavilhões especiaies para tuberculosos e para moléstias intercurrentes. (...). Prover o estabelecimento de laboratórios de propedêutica e semiótica mentaes, incluindo a psycho-physiologia, de anatomia pathologica e bio-chimica, será armar os alienistas deste manicômio de recursos para melhor diagnosticarem e, portanto, conseguirem melhores resultados therapeuticos. Como complemento disto, vem a urgência de reformas radicaes nos serviços de electro e hydrotherapia, accrescentando-lhes o de kynesotherapia. Relativamente ao pessoal do estabelecimento, devem ser muito sérias as modificações a imprimir no estado actual de cousas. Quanto ao pessoal medico, é imprescindível a creação de alguns logares clínicos; um delles, que deverá ser um pediatra, conhecedor do ramo da psychiatria e da neurologia applicado às crianças, ficará encarregado do serviço especial do instituto a que me referi acima. A outro clinico ficará entregue o serviço dos pavilhões de isolamento. Assim, daremos mais folga aos aquatro alienistas effectivos para bem cuidarem de suas respectivas secções (...). (...). Além destes, é urgente a fundação dos logares de cirurgião gynecologista, de ophtalmologista e de dentista. Assim serão postas em pratica não só a escola de enfermeiros, uma das maiores necessidades do serviço hospitalar entre nós, como a abertura de officinas em que poderão trabalhar muitos doentes.” (MOREIRA, 1905, p.14-16)

 

 

 

 

 

 

Na direção do Hospício, Juliano Moreira adotou como orientação a corrente alemã de psiquiatria, que conhecera com Emil Kraepelin (1856-1926), e que divergia da vertente francesa tradicionalmente adotada no Brasil. Em nenhuma hipótese admitia a referência pejorativa aos doentes mentais, afirmando de forma irônica que na realidade a maioria dos loucos estava fora dos manicômios (PASSOS, 1975).

Juliano Moreira, como diretor do Hospício Nacional de Alienados, criou novas enfermarias, como a enfermaria infantil, reestruturou as oficinas de trabalho, retirou as grades das janelas das enfermarias, aboliu os coletes e camisas de força, criou o Pavilhão Seabra com várias oficinas (ferreiro, bombeiro, mecânica elétrica, carpintaria, marcenaria, tipografia, etc.) para recuperação dos pacientes, e implantou oficinas artísticas (HJM. Biografia, 2013). Instituiu a assistência a familiares, e inaugurou uma biblioteca dotando-a de “obras clássicas francezas, antigas e modernas, muitas inglezas, allemãs, italianas, revistas francezas de psychiatria e neurologia (Annales Medico-Psychologiques, 1843 a 1904, Archives de Neurologie, 1880 a 1904, Nouvelle Iconographie de la Salpe¬trière, 1888 a 1904, Revue de Psychiatrie, 1897 a 1904, Revue Neurologique, 1893 a 1904), e assignatura de quasi todas as mundiaes sobre esse assumpto restricto, francezas, belgas, italianas, allemãs, inglezas, americanas, hespanholas, argentinas, etc.” (RELATORIO, 1904-1905, p.19)).

Da mesma forma que fizera na Bahia, Juliano Moreira organizou um laboratório e principiou a realização de punções lombares e exames citológicos de líquido céfalo-raquianos a fim de diagnosticar enfermidades. O número grande de pacientes internados no Hospício Nacional de Alienados e a forma de tratamento adotado eram apontados como problemas importantes para o funcionamento da instituição. Em 1890 havia sido criada, nas dependências daquela instituição, a Escola Profissional de Enfermeiros e Enfermeiras, com o objetivo de preparar os profissionais que atuassem nos hospícios e hospitais civis e militares, mas, de acordo com os relatos de 1908, esta escola não estaria funcionando devido a pouca regularidade de freqüência do pessoal às aulas, dada à sobrecarga de trabalho deste com a vigilância permanente de um número grande de pacientes (RELATORIO, 1909).

A gestão de Juliano Moreira à frente do Hospício Nacional de Alienados, abolindo medidas consideradas desumanas, atraiu para o estabelecimento um grande número de profissionais interessados nas novas técnicas do tratamento psiquiátrico. Júlio Afrânio Peixoto, Miguel da Silva Pereira, Antônio Austregésilo Rodrigues Lima, Raul Leitão da Cunha, Antonio Fernandes Figueira, José Chardinal D´Arpenans, Humberto Netto Gotuzzo, Bruno Alvares da Silva Lobo e Alvaro Porfírio de Andrade Ramos, entre outros, integraram o corpo clínico do estabelecimento e em pouco tempo se tornariam reconhecidos no ramo. Outros especialistas renomados formaram-se sob sua direção, como Gustavo Koehler Riedel, Mário Pinheiro de Andrade, Ernani Lopes, Faustino Monteiro Esposel, Ulysses Machado Pereira Vianna Filho, Henrique Waldemar de Brito Cunha, Carlos Mattoso Sampaio Corrêa, Mauricio Campos de Medeiros, Adauto Junqueira Botelho, Heitor Pereira Carrilho, Fabio de Azevedo Sodré, Odilon Galloti e Hermelino Lopes Rodrigues (LOPES, 1964).

Entre os internos mais célebres no então Hospício Nacional de Alienados esteve o escritor Afonso Henriques de Lima Barreto. A experiência de Lima Barreto em segundo internamento, ocorrido de 25 de dezembro de 1919 a 2 fevereiro de 1920, foi relatada em seu “Diário do Hospício”, no qual se refere a seu encontro com Juliano Moreira:

“Na segunda-feira, antes que meu irmão viesse, fui à presença do doutor Juliano Moreira. Tratou-me com grande ternura, paternalmente, não me admoestou, fez-me sentar a seu lado e perguntou-me onde queria ficar. Disse-lhe que na secção Calmeil. Deu ordens ao Santana e, em breve, lá estava eu.” (BARRETO, 1993, p.27)

 

 

Em relação às instituições de assistência aos alienados propôs “a substituição do hospício do fim do século XIX, obsoleto e inchado, por diferentes formatos institucionais para o tratamento da doença mental em seus diversos níveis: hospitais urbanos para curtos períodos de internação e tratamento, hospitais-colônia, clinoterapia, assistência heterofamiliar para casos mais longos etc.” (VENANCIO, 2005a, p.70).

A perspectiva humanista implementada por Juliano Moreira no Hospício Nacional de Alienados foi igualmente adotada pela nova lei federal de assistência aos alienados, apresentada em 1903 por João Carlos Teixeira Brandão, ex-diretor do Hospício Nacional de Alienados, cujo projeto foi apoiado por Juliano Moreira e pelo presidente Francisco de Paula Rodrigues Alves. Aprovada em 22 de dezembro do mesmo ano na forma do decreto nº 1.132, essa lei era baseada na proteção jurídica aos alienados, nos moldes da legislação francesa estabelecida de 30 de junho de 1838, que proibia, entre outras deliberações, a colocação dos doentes mentais em prisões. Em 1º de fevereiro de 1904, o decreto nº 5.125 estabeleceu o Regulamento da Assistência a Alienados no Distrito Federal.

Em 1905, com o apoio de Júlio Afrânio Peixoto, Juliano Moreira criou os Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Sciencias Affins, com a proposta segundo seus editores, de "registrar as contribuições nacionais" e "estimular os especialistas nacionais ao estudo acurado de seus doentes" (Nota editorial, 1905, Apud FACCHINETTI, 2010). Em 1908 este periódico passou a denominar-se Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Medicina Legal, com a criação da Sociedade Brasileira de Psychiatria, Neurologia e Medicina Legal, em 1907. A partir de 1919 o órgão da Sociedade Brasileira de Psychiatria, Neurologia e Medicina Legal passou a ser denominado Arquivos Brasileiros de Neuriatria e Psiquiatria, de responsabilidade de Juliano Moreira, Antônio Austregésilo Rodrigues Lima, Ulysses Machado Pereira Vianna Filho, Henrique de Brito Belford Roxo, Waldemar de Almeida, e Faustino Monteiro Esposel

Os referidos periódicos não foram, contudo, as únicas publicações que contaram com seu auxílio. Ainda na Bahia, foi diretor dos Annaes da Sociedade de Medicina e Cirurgia da Bahia, e colaborador da Gazeta Medica da Bahia, da Revista Médico-Legal, órgão da Sociedade de Medicina Legal da Bahia, e da Revista dos Internos da Faculdade de Medicina da Bahia. A Gazeta Medica da Bahia, criada em 1866 pelos integrantes da denominada Escola Tropicalista Baiana, foi destacada pelo próprio Juliano Moreira:

“Por meados do século XIX floresceu na Bahia uma tríade memorável de médicos a qual muito deve a medicina nacional: foram Wucherer, Paterson e Silva Lima. Provaram eles em 1849 que era de febre amarela a epidemia então reinante na cidade de Salvador. Silva Lima descreveu por primeira vez o ainhum alem de ter estudado com desusado esmero o beriberi e outras doenças aqui reinante. Essa Tríade fundou a Gazeta Médica da Bahia, o mais antigo repositório americano de subsídios para o estudo das doenças nos trópicos.” (Apud GELMAN, 2006, p.34)

 

 

Juliano Moreira foi o redator principal da Gazeta Medica da Bahia de julho de 1901 a junho de 1906:

“(....) Juliano Moreira tornou-se seu colaborador assíduo, com publicação de uma dezena de artigos, tendo a sífilis como tema principal. Entretanto as pesquisas de Juliano Moreira que tiveram maior destaque no período não foram sobre sua temática principal, a sífilis, mas sobre uma outra doença 'de países de clima quente', com manifestações cutâneas, o botão de Biskra, botão endêmico ou, numa linguagem mais atual, a leishmaniose tegumentar americana ou cutâneo-mucosa. Esses estudos se inscrevem numa fecunda e original tradição da Gazeta Medica, a dos estudos científicos com preocupação nacional sobre as doenças ditas tropicais, principalmente infecciosas e parasitárias, como fez Wucherer com seus trabalhos sobre a ancilostomíase e a filariose, e Silva Lima sobre o beribéri e o ainhum, já mencionados.” (JACOBINA, 2008)

 

 

 

Foi colaborador efetivo do Brazil Médico, periódico fundado em janeiro de 1887, por Antônio Augusto de Azevedo Sodré, professor da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, e também da Revista Médico-Cirúrgica do Brazil, criada em 1892.

Em viagem a Portugal, em 1906, para participar do XV Congrès International de Médicine, Juliano Moreira conheceu os médicos Miguel Augusto Bombardia (1851-1910), organizador deste Congresso e diretor do Manicómio de Rilhafoles (Lisboa), Júlio Xavier de Matos (1856-1922), criador do ensino oficial da psiquiatria em Portugal, e Júlio Dantas (1876-1962), médico militar e escritor (PASSOS, 1975).

Em 1911, participou da fundação dos Archivos Brasileiros de Medicina, juntamente com Antônio Austregésilo Rodrigues Lima, Eduardo Marques, Ernani Lopes, Gustavo Koehler Riedel, Mário Pinheiro de Andrade, Roberto César de Andrade Duque Estrada, Raul Pacheco e Zopyro Goulart.

Juliano Moreira foi nomeado, em 1911, diretor da Assistência Médico-Legal de Alienados, órgão que havia sido criado em 1890 e que posteriormente, em 1927, tornou-se o Serviço de Assistência a Psychopatas. Exerceu esta função sem remuneração adicional, acumulando-a com a de diretor do Hospital Nacional dos Alienados, Durante sua gestão na Assistência Médico-Legal de Alienados, criou o Manicômio Judiciário, inaugurado em 1921, em terrenos anexos à Casa de Correção na Rua frei Caneca, no centro do Rio de Janeiro.

Foi designado professor honorário de clínica de doenças mentais da Faculdade de Medicina da Bahia em julho de 1911, por proposta da Congregação desta instituição.

Em 1912, Augusto Rodrigues Caldas, diretor das colônias de alienados na Ilha do Governador, recebeu o apoio do Ministro da Justiça e Negócios Interiores e de Juliano Moreira, então diretor da Assistência a Alienados e do Hospital Nacional de Alienados, para a instalação de uma colônia de alienados em um terreno da Fazenda do Engenho Novo, na área rural de Jacarepaguá, zona oeste do Rio de Janeiro. Buscava-se, desta forma, resolver os problemas existentes nas antigas colônias de alienados na Ilha do Governador. As obras foram concluídas em 1924, quando foi inaugurada a então denominada Colônia de Psicopatas-Homens, para o atendimento de pacientes indigentes e crônicos oriundos, em sua maioria, das colônias da Ilha do Governador. Em 1935 passou a denominar-se Colônia Juliano Moreira como homenagem póstuma (VENÂNCIO, 2011).

Juliano Moreira defendia energicamente a adoção do tratamento de alienados em colônias rurais, como se depreende dos artigos que escrevia aos Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Sciencias Affins. As novas colônias eram, a seu ver, necessárias em substituição às colônias de São Bento e Conde de Mesquita, localizadas na Ilha do Governador, em terras onde hoje se encontra a Base Aérea do Galeão. Além da exigência dos frades do Mosteiro de São Bento, proprietários destes terrenos, e da Marinha, que desejava instalar ali a sua recém-criada Divisão Aérea, estas áreas estavam de todo modo em estado precário, não possibilitando assim condições adequadas para seus internos.

Juliano Moreira integrou o conselho executivo dos Archivos Brasileiros de Hygiene Mental, veículo oficial da Liga Brasileira de Hygiene Mental, tendo publicado o artigo “A seleção individual de immigrantes no programa de hygiene mental” no número de lançamento da publicação, em 1925.

Como referência da medicina nacional, representou o Brasil em diversos encontros científicos no exterior, como o XI Congres International de Médecine (Paris, 1900), o XV Congrès International de Médecine (Lisboa, 19-26/04/1906), o Congresso de Assistência a Alienados (Milão,1907) e o International Congress of Psychiatry, Psycology and Neurology (Amsterdã, 1907). Sua atuação neste congresso de psiquiatria rendeu-lhe a nomeação para a presidência do Comitê de Propaganda no Brasil, função esta que desempenhou em outras ocasiões também por indicação dos comitês organizadores de congressos em Viena, Londres, Gand (Bélgica), Berne (Suíça) e Moscou. Em 1901 foi eleito presidente honorário do IV Congresso Internacional de Assistência aos Alienados, realizado em Berlim. No 2º Congresso Medico Latino Americano (Buenos Aires, 1904), apresentou o trabalho “A paranóia e os syndromas paranoides”, em co-autoria com Júlio Afrânio Peixoto. Foi também eleito presidente honorário do Congresso de Assistência a Alienados, realizado em Milão, em 1907. Integrou o Instituto Internacional para o Estudo da Etiologia e Profilaxia das Doenças Mentais.

Em 1908 foi convidado pelo governo norueguês para participar da Second International Conference on Leprosy (Bergen, Noruega, 1909), por indicação do leprólogo Gerhard Armauer Hansen (1841-1912), para tratar da questão das doenças mentais nos leprosos, tendo posteriormente publicado seus estudos no Allgemeine Zeitschrift für Psychiatrie und psychisch-gerichtliche Medicin, na Alemanha. Participou do IV Congresso Medico Latino-americano (Rio de Janeiro, 1º-09/08/1909) com a apresentação do trabalho “Quaes os melhores meios de assistencia aos alienados?” na 5ª Secção de Neurologia, Psychiatria, Criminologia e Medicina Legal. Foi membro, desde o princípio da International League against Epilepsy, tendo participado do encontro em 30/08/1909 no Hotel Bristol, em Budapeste que discutiu sua criação, e tendo representado o Brasil no International Committee desta associação. Foi delegado do governo brasileiro na 11ª International Conference on Tuberculosis (Berlin, 22-25/10/1913). Participou, como membro organizador, do International Medical Congress (Budapeste, 29/08-04/09/1918), tratando do tema das doenças mentais e nervosas decorrentes da arterioesclerose. Na Réunion Jubilaire da Société de Médecine Mentale (Gand, Bruxelas, 25-26/09/1920) foi reconhecido como membro honorário desta sociedade.

Juliano Moreira também teve importante participação em congressos nacionais, tendo sido presidente da Seção de Sifilografia e Dermatologia do 5º Congresso Brasileiro de Medicina e Cirurgia, promovido pela Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro, (Rio de Janeiro, 16/06-02/07/1903), e presidido, em 1916 e 1922, o 1º e o 2º Congresso Brasileiro de Neurologia, Psiquiatria e Medicina Legal respectivamente.

Participou, juntamente com Antônio Pacheco Mendes, Raymundo Nina Rodrigues, Alfredo Tomé de Britto e outros, da fundação da Sociedade de Medicina e Cirurgia da Bahia, criada em 18 de novembro de 1894, na qual foi também diretor de seus Anais e membro da Comissão seccional de dermatologia-sifiligrafia. Participou juntamente com Raymundo Nina Rodrigues, da criação da Sociedade de Medicina Legal da Bahia, em 1895.

Foi um dos membros fundadores, vice-presidente (1923-1926), e presidente (1926-1929), da Sociedade Brasileira de Ciências criada em 1916, posteriormente denominada Academia Brasileira de Ciências. Por ocasião da visita de Albert Einstein (1879-1955) ao Brasil, em maio de 1925, Henrique Charles Morize, presidente da então Academia Brasileira de Ciências, e Juliano Moreira (vice-presidente), o recepcionaram na instituição. Nesta ocasião Juliano Moreira discursou e apresentou a proposta dos acadêmicos solicitando a admissão de Einstein como membro correspondente daquela associação. Juliano Moreira também o recebeu no Hospital Nacional de Alienados para uma visita às instalações do estabelecimento. Em 30 de abril de 1929, foi nomeado presidente honorário da Academia Brasileira de Ciências.

Integrou também outras associações nacionais, como a Academia de Letras da Bahia, o Instituto Histórico-Geográfico Brasileiro (eleito sócio em 1914, e posse em maio de 1917), e a Academia Nacional de Medicina, da qual foi membro titular da Seção de Medicina (eleito em 29 de outubro de 1903) e vice-presidente durante a gestão de Miguel de Oliveira Couto na presidência (1913-1934).

Integrou o Conselho Penitenciário do Distrito Federal, criado em 1924, juntamente com Antônio Evaristo de Morais, Raul Leitão da Cunha, José Gabriel Lemos de Brito, e outros, e foi membro do Conselho de Menores e do Conselho dos Patrimônios do Ministério da Justiça (HJM, 2013). Participou, juntamente com Júlio Afrânio Peixoto e Benjamin Franklin Ramiz Galvão, do conselho administrativo do Monte Médico, uma associação de previdência de médicos, farmacêuticos e cirurgiões dentistas no Distrito Federal.

Juliano Moreira, juntamente com Júlio Afrânio Peixoto, fundou em 1905, na sede da Academia Nacional de Medicina, a Sociedade Brasileira de Psychiatria, Neurologia e Sciencias Affins,. Em 17 de novembro de 1907 esta associação que reunia médicos do Hospício Nacional de Alienados e professores e alunos da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, foi renomeada como Sociedade Brasileira de Psychiatria, Neurologia e Medicina Legal, da qual Juliano Moreira foi presidente, e presidente perpétuo (1928). Em 5 de abril de 1908 foi constituída uma comissão para elaboração dos estatutos desta sociedade, formada por Carlos Fernandes Eiras, Júlio Afrânio Peixoto e Henrique de Brito Belfort Roxo, os quais teriam como modelo o de uma instituição alemã, de Munique. Em 1907 foi lançado o Boletim da Sociedade, produzido na Oficina Tipográfica do Hospital Nacional de Alienados (VASCONCELOS, 2008)

No seio da Sociedade Brasileira de Psychiatria, Neurologia e Medicina Legal foi constituída uma Comissão para propor uma classificação psiquiátrica, que “fosse uniformemente adotada no Hospício Nacional de Alienados e nas nossas Casas de Saúde para Psicopatas” do Distrito Federal (Apud SANTO, 2012, p.26). Esta Comissão foi formada por Juliano Moreira, Carlos Fernandes Eiras, Henrique de Brito Belford Roxo e Júlio Afrânio Peixoto, e seu resultado foi apresentado no relato de Juliano Moreira à Repartição Geral de Estatística em 1910, no qual se evidenciavam as influências da classificação psiquiátrica de Kraepelin. A classificação proposta pela Sociedade Brasileira de Psychiatria, Neurologia e Medicina Legal apresentava 14 grupos diagnósticos.

Juliano Moreira integrou o conselho executivo e foi presidente de honra da Liga Brasileira de Hygiene Mental, criada em 26 de janeiro de 1923 pelo médico Gustavo Koehler Ridel.

A Sociedade Brasileira de Psicanálise foi fundada em São Paulo, em 27 de novembro de 1927, por Francisco Franco da Rocha, professor de Neuropsiquiatria da Faculdade de Medicina de São Paulo, e Durval Bellegarde Marcondes. No ano seguinte, em 17 de junho de 1828, foi criada a Seção Rio de Janeiro desta associação, em uma reunião presidida por Juliano Moreira, com a presença de Murilo de Campos, Pedro Deodato de Moraes, José Carneiro Ayrosa, Júlio Pires Porto Carrero, Durval Bellegarde Marcondes e de Osório Thaumaturgo César, realizada no Serviço de Psychanalise do Hospital Nacional de Alienados, que havia sido criado naquele ano por Juliano Moreira, e que era dirigido por Murilo de Campos e José Carneiro Ayrosa. Juliano Moreira foi o primeiro presidente da Seção Rio de Janeiro (CARRERO, 1929).

Na residência de Juliano Moreira eram realizadas reuniões, com a presença de diplomatas estrangeiros, professores, artistas, médicos, como Miguel Ozorio de Almeida, Gastão Cruls e Antonio da Silva Mello.

Foi membro de diversas sociedades científicas estrangeiras, incluindo a Anthropologische Gesellschaft (Munich, Alemanha), a Société de Médecine de Paris, a Société de Pathologie Exotique (Paris, França), a Société Clinique de Médécine Mentale (França), a Medico-Legal Society of New York (E.U.A.), a Sociedad de Neurología y Psiquiatría (Buenos Aires, Argentina), a Société de Psychologie de Paris, a Societé de Psychiatrie (Paris), a Société Clinique de Médecine Mentale (Paris), a Societé Medico-Psychologique de Paris, a American Academie of Political and Social Science (Philadelphia, E.U.A.), a Société de Médecine Mentale de Belgique, Société de Neurologie de Paris, a Ligue de Hygiene Mentale (Paris), e membro correspondente da Royal Medico-Psychological Association (Londres, 1909).

Juliano Moreira foi eleito, em 1922, membro correspondente da Ligue Française de Prophylaxie et d´Hygiène Mentale, criada em Paris em 1921, e integrou o Comitê Internacional de redação da Folia Neurológica, que era um órgão para estudos de biologia do sistema nervoso, em Amsterdã (EL BAINY).

Sua trajetória foi destaque nas crônicas e notícias dos periódicos médicos de sua época:

“O Dr. Juliano Moreira especializou-se em psychiatria e em dermatologia. É talvez o único medico brazileiro que há percorrido todos hospitaes de alienados da Europa e da América do Sul, adquirindo na especialidade uma competência que todos reconhecem e de que dão mostra os seus trabalhos, alguns dos quaes ten honrado as columnas do <Brazil-Medico>. Trabalhou em diversos laboratórios do velho mundo e salientou-se muito no do Dr. Unna, em Hamburgo, tendo então opportuindade de publicar o seu magnífico estudo sobre o ainhum, com a mais completa e original contribuição scientifica sobre o assumpto. Sentimos que nos falte espaço para dar a lista dos numerosos trabalhos do Dr. Juliano Moreira, que tem collaborado em diversas revistas medicas estrangeiras e nacionaes, sendo um dos redactores effectivos da ´Gazeta Medica da Bahia`.” (CHRONICA, 1903, p.140)

 

 

 

Juliano Moreira é considerado o introdutor de inúmeros estudos clínicos no Brasil. Sua produção científica foi reconhecida e reverenciada no exterior. Foi precursor da clinoterapia no tratamento de doenças mentais e o pioneiro na realização de exames microscópicos de casos de micetoma no Brasil. Também impulsionou a criação de laboratórios em hospitais e clínicas através de uma conferência na Sociedade de Medicina e Cirurgia da Bahia, onde expôs a conveniência de tais serviços para o bom funcionamento destes órgãos. A partir de então, a Faculdade de Medicina da Bahia instituiu seu Instituto de Clínicas, laboratórios reunidos com a finalidade de colaborar nos diagnósticos realizados nas diversas clínicas, serviço que funcionava anexo ao Hospital Santa Izabel.

Foi também considerado o precursor da psicanálise no Brasil, pois o trabalho de Sigmund Schlomo Freud (1856-1939) “há trinta anos era estudado por elle na Bahia” (PEIXOTO, 1931). Segundo Carmen Oliveira, Juliano Moreira já o teria referido, em 1899, em uma conferência na Faculdade de Medicina da Bahia, uma década antes do movimento de divulgação do pensamento freudiano no país (OLIVEIRA, 2002).

Ana Teresa A. Venâncio, ao analisar o conjunto dos trabalhos de Juliano Moreira, o apresenta como tendo duas fases, sendo a primeira caracterizada como “tropicalista”, pois “seus artigos versam sobre doenças como a leishmaniose, a sífilis, a malária e o ainhum” (2005, p.68). E nesta fase estariam trabalhos como “Distribuição geográfica do botão endêmico dos países quentes” (1895), “A alimentação pelo arroz e o beribéri perante a observação dos médicos holandeses” (1898), “A sífilis como fator de degeneração” (1899), e “Os mosquitos e a malária” (1899). Na segunda fase, Juliano Moreira teria dedicado seus estudos especialmente à clínica psiquiátrica:

“A partir de 1901, Juliano Moreira discorre sobre exemplos internacionais – “A clínica psiquiátrica da Universidade de Leipzig” (1901), “A clínica psiquiátrica e de moléstias nervosas na Universidade de Halle” (1901), “A clínica psiquiátrica e de moléstias nervosas na Universidade de Wirtzburg (1902) – e elege, como modelo mais bem acabado, o Instituto de Munique dirigido por Emil Kraepelin, o qual se destinava tanto à assistência quanto ao ensino e à pesquisa.” (VENANCIO, 2005a, p.69)

 

 

Divergiu da teoria da degenerescência de Raymundo Nina Rodrigues, que tentava explicar a incidência das doenças mentais nos brasileiros através do viés patológico da miscigenação, enfatizando a “contribuição negativa” dos negros. Também refutava a tese de outros alienistas que acreditavam na relação entre determinadas enfermidades mentais com o clima tropical (ODA, 2001).

A projeção profissional de Juliano Moreira fazia-se sentir pelas inúmeras homenagens que recebeu, tanto em vida como póstumas. Em 1923 e 1925 os números dos Archivos Brasileiros de Neuriatria e Psychiatria foram inteiramente dedicados a sua trajetória enquanto médico e cientista.

Na data de seu aniversário, em 6 de janeiro de 1924, foi inaugurado um busto em bronze – obra do escultor Rodolpho Pinto do Couto – no salão nobre do Hospital Nacional dos Alienados. Esta iniciativa, resultado da admiração pelos trabalhos realizados em prol dos doentes mentais do país, partiu de seus alunos, amigos, discípulos e companheiros de profissão.

Em 1926, um grupo de especialistas em psiquiatria e neurologia reunidos no anfiteatro do Hospital Nacional de Alienados, resolveu criar a Fundação Juliano Moreira, um instituto de pesquisas destinado ao estudo científico das moléstias do sistema nervoso. Participaram da iniciativa Ulysses Machado Pereira Vianna Filho, Henrique da Rocha Lima, Raul Leitão da Cunha, Carlos Ribeiro Justiniano Chagas, Miguel de Oliveira Couto, Arthur Alexandre Moses, Heitor Pereira Carilho, Juvenil da Rocha Vaz, Mário Pinheiro de Andrade, Waldemar Schiller, Francisco Cavalcanti Pontes de Miranda, Pedro Pernambuco Filho, Adauto Botelho, João Marinho de Azevedo, Henrique de Brito Belford Rôxo, Faustino Monteiro Esposel, Henrique Duque e Waldemar de Almeida, sendo Juliano Moreira declarado seu presidente honra.

Juliano Moreira foi convidado pelo médico alemão Carl Anton Mense (1861-1938) para colaborar com a nova edição do tratado de doenças nervosas e mentais dos países tropicais, que resultou na publicação de seu trabalho intitulado “Die nervenund Geistskrankheiten in den Tropen” no vol.4 do Handbuch der Tropenkrankheiten, em 1926.

Em julho de 1928 viajou para o Japão, onde permaneceu por quatro meses, a convite de universidades de Tóquio, Kioto, Sendai, Hokaido, Fuknoka, Osaka, entre outras, nas quais proferiu suas conferências. Recebido com grande reverência, foi nomeado membro honorário da Sociedade Japonesa de Neurologia e Sociedade Japonesa de Psiquiatria, e condecorado pelo Imperador com a Ordem do Tesouro Sagrado. Seguiu posteriormente para a Europa para realizar conferências na Alemanha, onde foi condecorado com a medalha de ouro, condecoração máxima conferida a um professor estrangeiro, por três instituições - Sociedade Médica de Munique, Cruz Vermelha Alemã e Universidade de Hamburgo. Foi eleito membro honorário das Sociedades de Neurologia e Psiquiatria de Berlim e de Hamburgo.

De volta ao Brasil, Juliano Moreira retomou a direção do Hospital Nacional de Alienados até aposentar-se como Diretor Geral da Assistência a Psicopatas do Distrito Federal em 1930, cargo que ocupava desde 1911. Ainda em 1930 fundou, juntamente com Heitor Pereira Carrilho, os Arquivos do Manicômio Judiciário do Rio de Janeiro.

Juliano Moreira teve uma atuação bastante variada no campo da ciência. Foi médico, tropicalista, dermatologista, sifilógrafo, alienista, psicólogo, naturalista e historiador da medicina. Júlio Afrânio Peixoto, em texto publicado nos Archivos Brasileiros de Medicina em 1931, destacou a trajetória de Juliano Moreira:

“Não foi nacionalista, nem teve freguesia intelectual. Ouviu os sons de todos os sinos. Aqui, Silva Lima, tropicalista. Ali, Nina Rodrigues, medico legista. Estendeu as mãos a Teixeira Brandão e a Franco da Rocha. Propagou Kraepelin, sem esquecer Pierre Marie, nem Toulose, Clouston e Morselli. Leu a todos, aprendeu de todos, a todos no seu tanto consagrou, com a citação, a aplicação, a correcção. Freud, novidade de hoje, há trinta annos era estudado por ele na Bahia.” (PEIXOTO, 1931, p.66)

 

 

Sua contribuição mais destacada foi no campo da psiquiatria, cujos métodos ajudou a modernizar e divulgar. Por sua insigne projeção na área médica, foi reverenciado no mundo inteiro e fez parte de diversas associações e sociedades científicas internacionais, que o convidavam a integrar seus quadros por reconhecê-lo como o melhor em sua especialidade – a psiquiatria.

Em 02 de maio de 1933, faleceu em consequência de uma enfermidade crônica, tuberculose, na cidade de Petrópolis, onde se internara em um sanatório do distrito de Correias, no Rio de Janeiro. Foi publicado um necrológio em sua homenagem nos Annales Médico-Psychologiques (Nécrologie, n.02, 1933, p.448).

Antônio Austregésilo Rodrigues, na seção Necrologia do Brasil-Medico, de 13 de maio de 1933, destacou a trajetória de Juliano Moreira:

“A evolução scientifica da Assistência aos alienados sob sua direcção jamais parou; fez sempre progressos, ora rápidos ora lentos, porém a propulsão dada por Juliano Moreira à nossa escola psychiatrica não foi interrompida. Ahi estão os trabalhos da Sociedade de Neurologia, Psychiatria e Medicina Legal que há 25 annos vive cheia de serviços; as publicações feitas nos Archivos Brasileiros de Neuriatria e Psychiatria e em outras revistas technicas e em tratados. (...) e a compreensão do conceito philosophico e pragmático dos themas médicos, sobretudo neuro-psychiatricos; fizeram de Juliano Moreira chefe de escola clinica.” (AUSTREGESILO, 1933, p.343)

 

 

 

A publicação Sonderabdruck sus Psychiatrisch-Neurologische Wochenschrift, de Halle (Alemanha) em seu nº 25, de 24 de junho de 1933, publicou o necrológio de Juliano Moreira, escrito por W. Weygandt, no qual foram ressaltados sua trajetória, e seus estudos científicos sobre a psiquiatria, a neurologia, a neurosífilis, o envenenamento pelo arsênico, o saturnismo, a paranóia, a psicologia da tuberculose, as questões referentes à psicose da lepra, a malária, a influenza, as enfermidades nervosas das regiões tropicais, a organização da assistência aos epilépticos, e a psiquiatria no Brasil.

Juliano Moreira é o Patrono da Cadeira nº 57 da Seção de Medicina da Academia Nacional de Medicina.

Em dezembro de 2001, a Congregação da Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia aprovou a criação do Prêmio Juliano Moreira, que contempla, a cada semestre, o graduando em medicina que apresente as mais expressivas atividades de extensão ao longo do curso.

Para preservar a memória de sua trajetória, foi criado o Memorial Juliano Moreira, como um setor do Hospital Psiquiátrico Juliano Moreira, na Avenida Edgard Santos, s/nº, Bairro do Cabula, na cidade de Salvador.

Início

 

 

PRODUÇÃO INTELECTUAL

- “Eitologia da syphilis maligna precoce”. Tese inaugural de doutoramento, Faculdade de Medicina. Salvador: Tipografia Liguori & C, 1891.
- “Musculo Acromio-clavicular”. Brazil-Médico. Revista Semanal de Medicina e Cirurgia, Rio de Janeiro, anno VIII, n.48, p.377-379, 22 dez.1893.
- “Pharyngismo tabetico”.Brazil-Médico. Revista Semanal de Medicina e Cirurgia, Rio de Janeiro, anno IX, n.5, p.33-36, 1 fev. 1894.
- “Endemo-epidemia da Jacobina pelo Dr. Juliano Moreira (continuação da pag. vol.)”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXV, n.1, p.25-30, jul. 1894.
- “Endemo-epidemia da Jacobina (1891-1892) pelo Dr. Juliano Moreira (continuação da pag. 30)”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXVI, n.2, p.61-63, ago.1894.
- “Pharyngismo tabetico”. Gazeta Médica da Bahia, Bahia, anno XXVI, n.5, p. 203-212, nov. 1894.
- “Endemo-epidemia da Jacobina (1) pelo Dr. Juliano Moreira (continuação da pag. 63)”.Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXVI, n.6, p.159-168, dez.. 1894.
- “Existe na Bahia o botão de Biskra?”. Annaes da Sociedade de Medicina e Cirurgia da Bahia, Bahia, sessão de 30 de dez. 1894.
- “Existe na Bahia o botão de Biskra. Estudo clinico pelo Dr. Juliano Moreira”. Gazeta Médica da Bahia, Bahia, anno XXVI, p.254-258, fev. 1895.
- “Saturnismo e syphilis pelo Dr. Juliano Moreira”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXVI, fev. 1895.
- “Distribuição geographica do Botão Endemico de paises quentes”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXVI, p.346-374, abr. 1895.
- “Casos de urticaria consecutiva ao emprego da santonina”. Gazeta Médica da Bahia, Bahia, anno XXVI, n.11, mai. 1895.
- “Saturnisme et Syphilis Maligne”. Annales de Dermatologie et de Syphiligraphie, Paris, n. 6, jun. 1895.
- “Karl Ludwig, Karl Thiersch, Karl Vogt”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXVI, n.2, jun. 1895.
- “Hydroa vacciniforme seu aestivale”. British Journal of Dermatologie, Londres, v. VII, n.6, p.175-178, june 1895.
- “Arsenical Affections os the Skin”. British Journal of Dermatologie, Londres, v. VII, jun. 1895.
- “Assistencia dos alienados na Bahia. Relatório apresentado pelos Drs. Aurélio Vianna (relator), Tillemont Fontes e Juliano Moreira”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXVII, n.1, p.14-16, jul. 1895.
- “Discussão sobre urticária consecutiva a santonima. Drs. Alfredo Britto, Figueiredo, Juliano e Deocleciano Ramos.” Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXVII, n.1, jul. 1895.
- “A syphilis no periodo de involução senil”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXVII, n.2, p.61, ago.1895.
- “A syphilis no periodo de involução senil”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXVII, n.3, p.123, set.1895.
- “Culpabilidade dos syphiliticos que se casam”. Revista Medico-Legal, Bahia, anno I, n.1, p.36-41, set. 1895.
- “Le bouton endemique des pays chauds observé a Bahia”. Journal des maladies cutanées et syphilitiques, Paris, n.10, out. 1895.
- “Pasteur”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXVII, n.4, p.159, out. 1895.
- “A typhose syphilitica – cura por injecções de calomelanos”. Annaes da Sociedade de Medicina e Cirurgia da Bahia, dez. 1895.
- “Farcinose Chronica terminada por mormo agudo”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXVII, n.6, p.273, dez. 1895.
- “Casos de urticaria consecutiva ao emprego da santonina”. Annaes da Sociedade de Medicina e Cirurgia da Bahia, n. 4, 1895.
- “Farcinose Chronica terminada por mormo agudo”. Annaes da Sociedade de Medicina e Cirurgia, n.11, 1895.
- “Karl Ladwig, Karl Tierch, Karl Vogl”.Gazeta Medica da Bahia, Bahia, 1895.
- “Caso de thyfose syphilitica, cura por injeções de calomelanos, cephalea tardia”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXVII, n.7, p.323-325, jan. 1896.
- “Dyskinesias arsenicaes (nova contribuição e estado actual da questão)”. Tese (concurso para o lugar de lente substituto da 12ª seção), Faculdade de Medicina e Farmácia da Bahia, Salvador, 17 de abril de 1896.
- “Os reflexos tendinosos na phase post-paroxistica”. Annaes da Sociedade de Medicina e Cirurgia da Bahia, Bahia, jul. 1896.
- “Tendencias da Dermatologia hodierna”. Annaes da Sociedade de Medicina e Cirurgia da Bahia, Bahia, n.2, 1896.
- “Klinische Bemerkungenüberden Bouton de Bahia”. Monatscheftefür Dermatologie, ano XXII, n. 4, p. 198, 1896.
- “Dyskinesias arsenicaes: nova contribuição e estado actual da questão”. Revista da Sociedade de Medicina e Cirurgia de São Paulo, São Paulo, 1896.
- “O Serviço Médico Judiciário no Estado da Bahia”. [Salvador]: [s.n.], 1896. (com Raymundo Nina Rodrigues e Carlos Chenaud).
- “A alimentação pelo arroz e o beriberi perante a observação dos medicos holandeses”. Gazeta Médica da Bahia, Bahia, anno XXX, n.6, p.241-250, dez. 1898.
- “Alfredo Antunes Kanthack, M. D. (professor de pathologia na Universidade de Cambridge). Traços biographicos pelo Dr. Juliano Moreira”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, ano XXX, n. 6, p. 277-280, dez. 1898.
- “Dr. Oscar Bulhões (Prof. da Faculdade do Rio de Janeiro)”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, ano XXX, n.6, p.280-281, dez.1898.
- “Prefácio”. In: PEIXOTO, Afrânio. Epilepsia e crime. Salvador: V. Oliveira, 1898.
- “Os mosquitos e a malária”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXX, n.7, p.291-300, jan. 1899.
- “O prof. Manoel Bento de Souza (de Lisboa): traços biographicos pelo Dr. Juliano Moreira”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXX, n.12, p.574-577, jun. 1899.
- “A Syphilis como factor de degeneração”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXXI, n.3, p.112-125, set. 1899.
- “O methodo de Flechsig e a hyperexcitabilidade cortical nos epilépticos pelo Dr. Juliano Moreira (Fragmento de prelecção colhida em 1896 pelo Dr. Mariano da Rocha, então interno da clinica de moléstias nervosas e mentaes da Faculdade da Bahia)”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXX, n.8, p.339-345, dez. 1899.
- “Ein neuer pathologisch–anatomischer und Klinischer Beitrag zur Kenntnis des Ainhums”. Monatshefte für Praktische Dermatologie, Hamburg und Leipzig, band XXX, n.1, p.361-367, jan. 1900.
- “Note sur une nouvelle medication contre la lepre”. In: XIII Congrès de Médecine, Paris, 13, 1900.
- “O XIII Congresso Internacional de Medicina e Cirurgia reunido em Paris (noticia succinta) pelo Dr. Juliano Moreira”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXXII, n.7, p.320-329, jan. 1901.
- “O IV Congresso Internacional de Dermatologia e Syphiligraphia (noticia succinta) pelo Dr. Juliano Moreira”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXXII, n.8, p.343-350, fev. 1901.
- “As secções de psychiatria e neurologia do XIII Congresso de Medicina de Paris pelo Dr. Juliano Moreira”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXXII, n.10, p.475-486, abr. 1901.
- “A diffusão da klinotherapia no tratamento das psychoses”. Brazil-Medico. Revista Semanal de Medicina e Cirurgia, Rio de Janeiro, anno XV, n.19, p.179-183, 15 maio 1901.
- “O trigésimo quinto anniversario da Gazeta”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXXIII, n.1, p.1-3, jul.1901.
- “O lugar das micklonias em neuropathologia (substituto de psichiatria e neuropathologia na Faculdade de Medicina da Bahia)”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXXIII, n.1, p.22-34, jul.1901.
- “A diffusão da klinotherapia no tratamento das psychoses (continuação)”. Brazil-Medico. Revista Semanal de Medicina e Cirurgia, Rio de Janeiro, anno XV, n.27, p.261-265, 15 julho 1901.
- “A diffusão da klinotherapia no tratamento das psychoses (conclusão)”. Brazil-Medico. Revista Semanal de Medicina e Cirurgia, Rio de Janeiro, anno XV, n.28, p.271-274, 22 julho 1901.
- “Klinotheraphia, diffusão de seu uso, sua technica e resultados no tratamento das psychoses”. Rio de Janeiro: Tipografia Besnard Frères, 1901.
- “O lugar das micklonias em neuropathologia pelo Dr. Juliano Moreira (substituto de psichiatria e neuropathologia na Faculdade de Medicina da Bahia) (continuação da pag. 34)”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXXIII, n.3, p.101-112, set.1901.
- “Rudolf Virchow (traços geraes de sua vida”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXXIII, n.4, p.149-167, out. 1901.
- “O Professor Francisco de Castro”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXXIII, n.5, p.201-205, nov. 1901.
- “A clinica psychiatrica e de moléstias nervosas da Universidade de Leipzig”. Revista do Grêmio dos Internos dos Hospitaes, Bahia, Faculdade de Medicina da Bahia, v.2, n.1-2, p.2-5, 16 jun./15 jul. 1901.
- “A clinica psychiatrica e de molestias nervosas na Universidade de Halle”. Revista do Grêmio dos Internos dos Hospitaes, Bahia, Faculdade de Medicina da Bahia, v.2, n.7, p.52-55; p.101-104; p. 111-115, set. /dez. 1901.
- “A clinica psychiatrica e de moléstias nervosas da Universidade de Leipzig”. Revista do Grêmio dos Internos dos Hospitaes, Bahia, Faculdade de Medicina da Bahia, p.20--23, 1 dez.. 1901.
- “Magnus Möller. Embolias pulmonares nas injecções de preparado mercuriaes insolúveis (Fortgesetzte Beobachtungen über Lungenembolie bei Injection von unlöslichen Quecksilberpräparaten). Archiv. f. Dermatologie und Syphilis 1901, p.173.” Gazeta Medica da Bahia, Bahia, v. XXXIII, n.6, p.286-288, dez.. 1901.
- “Ossian Schanman. Ha qualquer relação genetica entre a appendicite e as neuroses geraes? (Sind irgendweise genetische Beziehungen zwischen den allgmeinen Neurosen und der Appendicitis denkbar?). Deutsche med. Woch. Vol. 26, nov. 1901”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, v. XXXIII, n.6, p.288, dez. 1901.
- “Os recentes trabalhos portugueses sobre a moléstia do somno (Revista pelo Dr. Juliano Moreira)”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, anno XXXIII, n.7, p.317-325, jan. 1902.
- “Bibliographia: Traité des affections venériennes par le professeur Edmond Lesser”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, v. XXXIII, n.7, p.331-332, jan. 1902.
- “A imprensa medica nacional”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, v. XXXIII, n.7, p.340-376, jan. 1902.
- “Necrologia. Professor Von Ziemssen”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, v. XXXIII, n.8, p.377-379-484, fev. 1902.
- “Asylo-colonia de Alienados em Juquery (São Paulo)”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, v. XXXIII, n.9, p.399-407, mar. 1902.
- “O asylo-colonia de Alienados em Juquery (S. Paulo)”. Revista Medica de São Paulo, Jornal pratico de Medicina, Cirurgia e Hygiene, São Paulo, anno V, n.11, p.210-213, 15 jun. 1902.
- “A reforma dos estudos médicos na Allemanha”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, v. XXXIII, n.9, p.434-438, mar. 1902.
- “A clinica psychiatrica e de molestias nervosas na Universidade de Würtzburgo”. Revista do Grêmio dos Internos dos Hospitaes, Bahia, Faculdade de Medicina da Bahia, v.3, p.18-21, p.40-43, 15 abr./ 15 mai.1902.
- “Da necessidade da fundação de laboratorios nos hospitaes. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, v. XXXIII, n.10, p.439-450, abr. 1902.
- “Necrologia. Professor Moriz Kaposi”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, v. XXXIII, n.10, p.481-484, abr. 1902.
- “5º Congresso Brasileiro de Medicina e Cirurgia”. Gazeta Medica da Bahia, Bahia, v. XXXV, n.1, p.9-12, jul. 1902.
- “A propósito do ainhum”. Brazil-Medico. Revista Semanal de Medicina e Cirurgia, Rio de Janeiro, anno XVI, n.31, p.310-311, 15 agosto 1902.
- “Nova contribuição ao estudo dos reflexos tendinosos na phase post-paroxystica da epilepsia”. Brazil-Medico. Revista Semanal de Medicina e Cirurgia, Rio de Janeiro, anno XVI, n.42, p.417-419, 8 novembro 1902.
- “A proposito de novos casos de Ainhum”. Revista da Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, n.10, 1902.
- “Contribuição ao estudo da hematologia da lepra. Comunicação no V Congresso Brasileiro de Medicina e Cirurgia, 1903”. Lepra Revista Internacional, 1903.
- “A paranóia e os syndromas paranoides”. Brazil-Medico. Revista Semanal de Medicina e Cirurgia, Rio de Janeiro, anno XVIII, n.19, p.185-192, 15 mai.1904. (com Julio Afrânio Peixoto).
- “A paranóia e os syndromas paranoides (conclusão)”. Brazil-Medico. Revista Semanal de Medicina e Cirurgia, Rio de Janeiro, anno XVIII, n.24, p.239-245, 22 junho 1904. (com Julio Afrânio Peixoto).
- “A paranóia e os syndromas paranoides”. Rio de Janeiro: Besnard, 1904. (com Julio Afrânio Peixoto).
- “Contribuição ao estudo da bouba brasileira”. Brazil-Medico. Revista Semanal de Medicina e Cirurgia, Rio de Janeiro, anno XVII, n.26, p.262-266, 8 julho 1904. (com A. Austregésilo)
- “Notícia sobre a evolução da assistência a alienados no Brasil”. Archivos Brasileiros de Neuriatria e Psiquiatria, Rio de Janeiro, 1904.
- “Demência paralytica (Paralysia geral)”. Brazil-Medico, Rio de Janeiro, anno XIX, n.6, p.56, 8 fev. 1905.
- “Assistencia aos epilepticos – Colonias para eles”. Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Sciencias Affins, Rio de Janeiro, ano I, n.2, p.167-182, jul.1905.
- “Classificação de moléstias mentaes do professor Emil Kraepelin”. Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Sciencias Affins, Rio de Janeiro, ano I, n. 2, p. 204-216, jul. 1905. (com Júlio Afrânio Peixoto)
- “Classificação de moléstias mentaes do professor Emil Kraepelin (continuação)”. Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Sciencias Affins, Rio de Janeiro, ano I, n. 3 e 4, p. 310-316, out. 1905. (com Júlio Afrânio Peixoto)
- “A paranoia e os syndromas paranoides”. Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Sciencias Affins, Rio de Janeiro, ano I, n. 1, p. 5-33,1905. (com Júlio Afrânio Peixoto)
- “Noticia sobre a evolução da assistência a alienados no Brasil”. Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Sciencias Affins, Rio de Janeiro, v.1, n. 1, p. 52-98, 1905.
- “Noticia sobre a evolução da assistência a alienados no Brasil pelo Dr. Juliano Moreira Director do Hospício Nacional de Alienados”. In: Relatorio apresentado ao Presidente da Republica dos Estados Unidos do Brazil pelo Dr. J. J. Seabra Ministro de Estado da Justiça e Negócios Interiores em março de 1905. v. II – Directoria do Interior. Primeira Parte. Annexo E. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1905.
- “Bibliographia. Esboço de Psychiatria Forense, pelo Dr. Franco da Rocha”. Brazil-Medico, Revista Semanal de Medicina e Cirurgia, Rio de Janeiro, anno XIX, n.15, p.149,15 abr. 1905.
- ‘Distribuição Geographica do botão endemico dos paizes quentes”. Annaes da Sociedade de Medicina e Cirurgia, abr.1905.
- “Reformen der Irrenfürsorge in Rio de Janeiro”. Psychiatrische, Neurologische Wochenschrift, Berlim, n.33, 1905.
- “Nothnagel, Karl Wernicke e John Sibbald”. Arquivos Brasileiros de Psiquiatria, Rio de Janeiro, 1905.
- “Reformatorios para alcoolistas”. In: Actas y trabajos. Buenos Aires: Imprenta y Casa de Coni Hermanos, 1905. p. 675.
- “Carta de Juliano Moreira ao Ministro da Justiça e Negócios Interiores reclamando providências para remoção das colônias da Ilha do Governador, 12 de junho de 1905”. [s.l.[: [s.n.], 1905.
- “Ligeiras notas a propósito da Assistencia familiar”. Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Sciencias Affins, Rio de Janeiro, ano II, n.1, p. 25-29, jan.1906.
- “Psychoses em leprosos”. Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Sciencias Affins, Rio de Janeiro, ano II, n.1, p.41-57, jan. 1906.
- “Nina Rodrigues: necrológico biobibliográfico”. Archivos Brasileiros de Psiquiatria e Neurologia, Rio de Janeiro, dez. 1906.
- “Les maladies mentales dans les climats tropicaux. Rapport par les docteurs Juliano Moreira et Afranio Peixoto. XV Congrès International de Médicine, Lisbonne, 1906”. Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Sciencias Afins, Rio de Janeiro, v.2, n.1, p.222-241, jan. 1906.
- “La paranoia légitime : son origine et nature. Rapport officiel au XV Congrès International de Médicine (Lisbonne, 19/26 Avril 1906). Lisboa. 1906. (com Júlio Afrânio Peixoto)
- “L' Assistence des Alienées au Bresil”. In: Congress Internacional de l´assistence des alienées. Anais. Milão, [s.n.], 1906.
- “Contribution à l’étude de l’ainhum”. In: XV Congrès International de Médicine, Lisbonne,1906. Lisboa: [s.n.], 1906. (com A. Austregésilo)
- “A lei federal de assistência a alienados e a crítica do professor Nina Rodrigues”. Brazil-Medico, Rio de Janeiro, ano XXI, n.23, p.221-225, 15 de junho de 1907.
- “A lei federal de assistência a alienados e a crítica do professor Nina Rodrigues (conclusão).” Brazil-Médico, Rio de Janeiro, ano XXI, n.24, p.231-233, 22 de junho de 1907.
- “A lei federal de Assistencia a Alienados e a crítica do prof. Nina Rodrigues”. Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Sciencias Affins, Rio de Janeiro, ano III, p. 3-77, 1907.
- “Assistencia a alienados no Pará e Rio Grande do Sul”. Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Sciencias Affins, Rio de Janeiro, ano III, n. 4, p. 429-435, 1907.
- “Um caso de paranoia”. Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Sciencias Affins, Rio de Janeiro, ano III, n.3-4, p. 377-387, 1907.
- “Les maladies mentales au Bresil”. In : International Congress of Psychiatry, Psychology and Neurology, Amsterdam, 1907.
- “A contribution to the study of dementia paralytica in Brazil”. Journal of Mental Science, Londres, 55, p.507-521, jul.1907. (com Antônio Carlos Pennafiel)
- “Gesetz uber Irrenfursorge in Brasilien”. Psychiatrisch Wochenscrift, Berlim, p. 307, 1907.
- “A fundação do Instituto Internacional para o estudo da etiologia e prophylaxia das moléstias mentaes.” Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Sciencias Affins, Rio de Janeiro, ano III, n.1, 1907.
- “Informe sobre o Congresso Internacional de Psiquiatria e Neurologia de Amsterdam (setembro de 1907)”. Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Sciencias Affins, Rio de Janeiro, Ano III, n. 3-4,p. 418-421. 1907.
- “Moléstias mentaes”. Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Sciencias Affins, Rio de Janeiro, anno III, n.1, 1907.
- “Les origines plus eloigneés de la lépre au Bresil”. Lepra Revista Internationali, v. 7, n. 2, 1907.
- “Prof. Eduardo Ritzig.” Archivos Brasileiros de Psiquiatria e Neurologia, Rio de Janeiro, 1907.
- “Prof. J. Tillemont Fontes”. Archivos Brasileiros de Psiquiatria e Neurologia, Rio de Janeiro, 1907.
- “Ligeira vista sobre a evolução da assistência a alienados na Allemanha. A clínica psiquiátrica de Munique”. Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Medicina Legal, Rio de Janeiro: Hospício Nacional de Alienados, ano IV, n.1-2, p. 172-186, 1908.
- “O Instituto Internacional para o estudo das causas e da profilaxia das moléstias mentais”. Arquivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Medicina Legal. Rio de Janeiro, ano IV, n. 1- 2, p.213-217. 1908.
- “Querelantes e pseudo-querelantes”. Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Medicina Legal, Rio de Janeiro, ano IV, n.1-2, p. 426-434,1908.
- “Quaes os meios de assistencia mais convenientes aos alienados? Relatório apresentado ao Congresso Nacional de Assistência Publica e Privada”. Rio de Janeiro: Typographia do Jornal do Commercio, 1908.p.1-22.
- “Contribuição ao estudo do Ainhum”. Brazil-Medico. Revista Semanal de Medicina e Cirurgia, Rio de Janeiro, anno XXII, n.17, 1 mai. 1908.
- “Reformen der Irrenfürsorge in Rio de Janeiro”. Buchdruckerei der Irrenanstalt, 1908.
- “Esboço sobre a evolução da Medicina do Brasil”. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1909.
- “Quaes os melhores meios de assistencia aos alienados? (trabalho do Dispensário Moncorvo). Relatório apresentado ao IV Congresso Medico Latino-americano.” Rio de Janeiro: Imprensa Nacional ,1909.
- “XVI Congresso Internacional de Medicina” (agosto setembro de 1909). Arquivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Medicina Legal. Rio de Janeiro. Ano IV, n. 1 e 2,p.320-322. 1909.
- “Quaes os melhores meios de assistencia aos alienados?”. Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Medicina Legal, Rio de Janeiro, ano VI, n. 3-4, p. 373-396, 1910.
- “Progress of psychiatry in Brazil”. Journal of Mental Science, London, jul. 1910.
- “Geisteskranheiten bei Leprakranken”.In: Internationale Wissentschaftliche Lepra Conferenz, 1910. Annalen. Berger: [s.n.], 1910. p. 163.
- “Geitesstörung bei Leprakranken”. Allgemeine Zeitschrift für Psychiatrie und psychisch-gerichtliche Medicin, Berlin, v.6, p. 293, 1910.
- “Traços biographicos do Dr. J. F. da Silva Lima”. Formulário practico do Brasil Médico. [s.l.]: [s.n.], 1910.
- “Carta ao Sr. Ministro da Justiça e Negócios Interiores”. [fundação de uma nova Colônia de Alienados]. 19 de outubro de 1910”. [s.l]: [s.n.], 1910.
- “Apreciação do livro Elementos de Medicina Legal do Prof. Afrânio Peixoto”. Archivos Brasileiros de Psiquiatria e Neurologia, Rio de Janeiro, 1911.
- “Formas benignas de leprose nervosa”. Archivos Brasileiros de Medicina, Rio de Janeiro, fev. 1911.
- “Delirio paranoide de longa duração”. Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Medicina Legal, Rio de Janeiro, ano VIII, 1912.
- “Falsos testemunhos por desvios mentaes”. Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Medicina Legal, Rio de Janeiro, ano VIII, n.1 e 2, p.315-350, 1912.
- “O Progresso das sciencias no Brasil. Conferencia realizada a 24 de outubro de 1912 pelo Dr. Juliano Moreira”. Annaes da Bibliotheca Nacional, Rio de Janeiro, v. 35, p. 32-47, 1913.
- “A new contribution to the study of dementia paralytica in Brazil.” In: XVII INTERNATIONAL CONGRESS OF MEDICINE, London. [Anais]. London, 1913.
- “Maladies nerveuses et mentales au Brésil”. (Conference). Paris, 1913.
- “A secção de Psychiatria do Congresso Internacional de Medicina de Londres”. Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Medicina Legal, Rio de Janeiro, ano IX, n.3 e 4, p.250, 1913.
- “III Congresso Internacional de Neurologia e Psychiatria”. Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Medicina Legal, Rio de Janeiro, ano IX, n.3 e 4, p.267-276, 1913.
- “Necrologia: Professor Dr. Paul Näcke”. Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Medicina Legal, Rio de Janeiro, ano IX, 1913.
- “Estados mentaes dos tuberculosos”. Archivos Brasileiros de Medicina, Rio de Janeiro, ano III, 1º sem., fev.1913.
- “Notes sur quelques maladies nerveuses et mentales au Brésil”. In: III INTERNATIONAL CONGRESS OF NEUROLOGY AND PSYCHIATRY, Gand, 3, 1913.
- “Die Allgemeine progressive Paralysebei Greisen”. Zeitschrift fur gesante Neurologie und Psychiatrie, v.18, n.1, p.187-194, dec. 1913. (com Ulisses Viana)
- “Irrenwesen in brasilien.”I n: BRESLER, Joh. Heil und Pflegeantalten fur Psychiskranke in Wort und Bild. Halle: [s.n.], 1914. v.1.
- “Demencia Paralitica”. Formulário do Brasil Médico, Rio de Janeiro, 1915.
- “Contribuição ao estudo da demencia paralitica no Rio de Janeiro especialmente no Hospital Nacional de Alienados”. Archivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Medicina Legal, Rio de Janeiro, 1916. (com Ulysses Machado Pereira Vianna Filho)
- “Primórdios e tendências da psiquiatria no Brasil. Discurso na Sessão solene inaugural do Primeiro Congresso Brasileiro de Neurologia, Psychiatria e Medicina Legal, 23 a 26 de agosto de 1916”. In: PRIMEIRO CONGRESSO BRASILEIRO DE NEUROLOGIA, PSIQUIATRIA E MEDICINA LEGAL, Trabalhos do Primeiro Congresso Brasileiro de Neurologia, Psychiatria e Medicina Legal. Rio de Janeiro: Officinas de Typ. e Encad. do Hospital Nacional de Alienados, 1916.
- “Congresso Brasileiro de Neurologia, Psiquiatria e Medicina Legal”. Arquivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Medicina Legal. Rio de Janeiro, ano XI,n. 3, mai.-jun., 1916.
- “Alzheimer e Perusini”. Archivos Brasileiros de Psiquiatria e Neurologia, Rio de Janeiro, v.13, p.82-88, 1917.
- “Dados sobre a psicologia objetiva dos índios brasileiros”. Arquivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Medicina Legal, Rio de Janeiro, v.XIII, 1917.
- “Oswaldo Cruz (1872-1917)”. Revista da Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, n.1, p.107-111, 1917.
- “Discurso”. Revista da Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, n.2, p.11-17, 1918. (Sessão Plena de 18 de setembro de 1917).
- “Discurso de saudação ao Prof. George Dumas. Seção de 17.11.1917. Archivos Brasileiros de Psychiatria e Neurologia, Rio de Janeiro, 1917.
- “Os iniciadores do estudo da medicina e da história natural no Brasil (W. Pies e G. Marcgrave). Palavras ditas por Juliano Moreira, no acto de sua posse a 16 de outubro de 1917”. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1917.
- “Marcgrave e Piso”. Revista do Museu Paulista, 16 de outubro 1917.
- “A seção de psiquiatria do Congresso de Medicina de Londres”. Arquivos Brasileiros de Psychiatria, Neurologia e Medicina Legal. Rio de Janeiro, anno IX, n.3-4, 1918.
- “A Psychiatria e a Guerra. Conferência realizada no Clube Militar em 4-2-1918, sob os auspícios da Sociedade Medico-Cirúrgica Militar”. Rio de Janeiro: [s.n.], 1918.
- “Silva Lima e a Gazeta Medica da Bahia: sua influência nos progressos da medicina no Brasil”. Archivos Brasileiros de Medicina, Rio de Janeiro, v.206, 1918.
- “Silva e Lima e a Gazeta Medica da Bahia (1866-1916)”. Bahia Ilustrada, Bahia, v. 2, p. 1-3, 1918.
- “Classificações em Medicina Mental”. Archivos Brasileiros de Neuriatria e Psychiatria, Rio de Janeiro, ano I, n.1, p.93-115, jan./mar. 1919.
- “Factores hereditários em Psychiatria”. Archivos Brasileiros de Hygiene Mental, Rio de Janeiro: Typ. do Jornal do Commercio, ano II, n.1, p. 29-34, 1919.
- “Distúrbios psychicos no curso da influenza durante a última pandemia”. Archivos Brasileiros de Medicina, Rio de Janeiro, ano IX, p. 283-305, 1919.
- “Distúrbios psychicos no curso de influenza durante a última pandemia”. Rio de Janeiro: Typografia do Jornal do Commercio, 1919.
- “A pandemia grippal no Hospital Nacional e sua influencia no curso das doenças mentaes”. Archivos Brasileiros de Medicina, Rio de Janeiro, ano IX, p. 310-321, 1919.
- “O pan-sexualismo na doutrina de Freud, pelo Prof. Franco da Rocha”. Brazil-Medico, Revista Semanal de Medicina e Cirurgia, Rio de Janeiro, ano XXXIV, n.23, 5 de junho de 1920.
- “Discurso pronunciado pelo Dr. Juliano Moreira no acto do lançamento da pedra fundamental do Manicomio Judiciário e incluido no Boletim da Sociedade Brasileira de Neurologia, Psychiatria e Medicina Legal por deliberação unanime tomada na 2ª sessão ordinaria de 1920. Archivos Brasileiros de Neuriatria e Psychiatria, Rio de Janeiro, anno II, 1º trimestre, 1920.
- “O novo agrupamento nosographico das doenças mentaes do Prof. E. Kraepelin”. Archivos Brasileiros de Neuriatria e Psychiatria, Rio de Janeiro, ano III, p. 181-189, 1921.
- “Discurso proferido na inauguração do Manicômio Judiciário do Rio de Janeiro a 30 de abril de 1921”. Archivos Brasileiros de Medicina, Rio de Janeiro, p.92-95, 1921.
- “Benemérita campanha contra as intoxicações viciosas”. Archivos Brasileiros de Neuriatria e Psychiatria, Rio de Janeiro, ano III, p. 243-267, 1921.
- “Apreciação do Manual de Psiquiatria do Prof. Henrique Roxo”. Archivos Brasileiros de Medicina, Rio de Janeiro, p.286, 1921.
- “Kraepelin, Nissi, Spiemeyer, Plaut, Spatz, etc.: bibliografia “. Arquivos Brasileiros de Medicina, Rio de Janeiro, p.285, 1921.
- “As diretrizes da hygiene mental entre nós”. Revista de Medicina e Hygiene Militar, Rio de Janeiro, anno VIII, n.1, p.39, jan.1922.
- “A luta contra as degenerações nervosas e mentaes”. Brazil-Medico. Revista Semanal de Medicina e Cirurgia, Rio de Janeiro, anno XXXVI, n.II, p.225-226, 1922.
- “Pertubações nervosas e mentais no Brasil”. In: CONFERÊNCIA DA SOCIEDADE DE MEDICINA E CIRURGIA, 1922, Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro, 1922.
- “Pertubações no decurso da sífilis”. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE NEUROLOGIA E PSIQUIATRIA, 2, 1922. Anais. 1922.
- “Wundt e a psychologia experimental”. In: ROQUETTE-PINTO, E. Conceito Actual da vida. Cultura Contemporânea, vol. I. Rio de Janeiro: Süssekind de Mendonça & Cia., 1922.
- “Prefacio”. In: ALBUQUQERQUE, J.J.C.C. Medeiro e. O Hypnotismo. Rio de Janeiro: Liv. Ed. Leite Ribeiro, 1923. p.31-33.
- “F. Gorphe: la critique dutémoignage”. Archivos Brasileiros de Neuriatria e Psychiatria, Rio de Janeiro, anno VI, n.3-4, p.137-139, 1924.
- “Memórias do Hospício de Juquery”. Archivos Brasileiros de Neuriatria e Psychiatria, Rio de Janeiro, anno VI, n.3-4, p.139-142, 1924.
- “A seleção individual de immigrantes no programa de hygiene mental”. Archivos Brasileiros de Hygiene Mental, Rio de Janeiro, ano I, n.1, p. 109-115, mar. 1925.
- “[Charcot]”. Academia Nacional de Medicina. Sessão de 28 de maio de 1925. Boletim da Academia Nacional de Medicina, Rio de Janeiro, n.7, [p.131-138],1925.
- “Prof. Emilio Kraepelin: sua vida e sua obra”. Archivos Brasileiros de Neuriatria e Psychiatria, Rio de Janeiro, anno VIII, n.4, p.3-4, 1926.
- “Die nerven und Geistskrankheiten in den Tropen”. In: MENSE, C. (ed.) Handbuch der Tropenkrankheiten.[s.l.: [s.n.], 1926. n.4.
- “Marcgrave e Piso: separata do tomo XVI”. Revista do Museu Paulista, São Paulo, v.4, 1926.
- “Psicologia do testemunho”. Revista de Medicina e Higiene Militar, Rio de Janeiro, anno XV, n.1, p.2, jan. 1926.
- “Prof. Emilio Kraepelin”. Archivos Brasileiros de Neuriatria e Psychiatria, Rio de Janeiro, ano VIII, 3º e 4º tri. 1927.
- “Impaludismo na gênese dos distúrbios nervosos e mentais”. Archivos Brasileiros de Neuriatria e Psychiatria, Rio de Janeiro, mar. 1927.
- “O anniversario da fundação do Hospital Nacional de Psychopathas”. Archivos Brasileiros de Neuriatria e Psychiatria, Rio de Janeiro: Paulo de Azevedo & Cia.; Livraria Francisco Alves, ano IX, n.2-3, p. 129-131, 2º e 3º tri. 1927.
- “Assistencia a psychopathas no Rio de Janeiro”. Livro de Ouro oferecido ao Prof. Cabred. Buenos Aires, [s.n.], 1927.
- “Vida e obra de Emil Kraepelin: expoentes da evolução das idéias na moderna psiquiatria”. A Patologia Geral, jan. 1927.
- “Algo sobre doenças nervosas e mentais no Brasil”. Revista Íbero-Americana, Hamburgo, n. 8, 1929.
- “As lues como factor dystrophiante”. Archivos Brasileiros de Hygiene Mental, Rio de Janeiro: [s.n.], ano II, n. 1, p. 3-7, out. 1929.
- “Reformatorio para alcoolistas”. Archivos Brasileiros de Hygiene Mental, Rio de Janeiro, ano II, n. 3, p. 61-63, nov. 1929.
- “As lues como factor dystrophiante”. Archivos Brasileiros de Hygiene Mental, Rio de Janeiro: [s.n.], ano II, n.3, p. 116-119, dez. 1929.
- “Doenças familiares do sistema nervoso”. In: FIGUEIRA F., Pediatria. [s.l.]: [s.n.], 1929.
- “Eignes über geisteverandungen waehrend des Verlufes der Lues in Rio de Janeiro”. Zeitschrift für die gesamte Neurologie und Psychiatrie, Berlin, v.129, 1930. Zeitschrift für die gesamte Neurologie und Psychiatrie
- “Duas grandes perdas. Ekonomo e Jakob”. Arquivos Brasileiros de Neuriatria e Psychiatria, Rio de Janeiro, anno XIV, n.6, nov.-dez. 1931.
- “Neuro-psychiatria”. Rio de Janeiro: Jornal do Commercio, 1931.
- “Qualidades necessarias a um enfermeiro de psychopatas”. Archivos Brasileiros de Hygiene Mental, Rio de Janeiro, ano VI, n. 2, p. 81-86, abr.-jun. 1933.
- “Assistencia aos bebedores”. Archivos Brasileiros de Hygiene Mental, Rio de Janeiro: [s.n.], ano VI, nº 2, p. 123-126, abr.-jun. 1933.
- “O uso de bebidas alcoolicas pelos indios (Interessante depoimento obtido pelo Professor Juliano Moreira do professor Max Schmidt)”. Archivos Brasileiros de Hygiene Mental, Rio de Janeiro: [s.n.], ano VI, n.2, p. 127-128, abr.-jun. 1933.
- “Impressões de uma viagem ao Japão em 1928”. Rio de Janeiro: Officinas Reginaldo Neustadt, 1935. (com Augusta Peick Moreira)
- “A Criança e o Crime”. Conferência realizada na Sociedade de Geografia de Lisboa em 5 de Maio de 1937. In: Cadernos da Seara Nova. Estudos Pedagógicos. Lisboa: Seara Nova, 1937.
- “O fator endocrinico e a continencia masculina”. Arquivos Brasileiros de Hygiene Mental, Rio de Janeiro, ano XII, n.1-2, jan./jun. 1939.
- “O Progresso das sciencias no Brasil”. Conferencia pronunciada na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro em 1912. Revista Siniátrica, Rio de Janeiro, n.7-10, jul./dez. 1942.
- “Meralgie parestesique suivie de claudication intermittente douloureuse”. Communication à la Société de Medicine de Paris, [s.d.].

Início

 

 

FONTES

- ACADÊMICO Juliano Moreira. Datilografado. Arquivo pessoal da Academia Nacional de Medicina. Rio de Janeiro: [s.n.], [s.d.]. (ANM)
- ARAÚJO, Carlos da Silva. Juliano Moreira. Palestra realizada na Academia Carioca de Letras em 21 de novembro de 1973. Sinopse Psiquiátrica, [Salvador], ano II, n.2, out. 1978. (ANM)
- AUSTREGESILO, A. Necrologia. Juliano Moreira. Brasil-Medico, Rio de Janeiro, anno XLVII, n.19, p.342-343, 13 mai. 1933.
- BARRETO, Afonso Henriques de Lima. Diário do hospício; o cemitério dos vivos. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, Divisão de Editoração, 1993. (Biblioteca Carioca, vol. 8). Online. Capturado em 21 fev. 2013. Disponível na Internet: http://www0.rio.rj.gov.br/arquivo/pdf/biblioteca_carioca_pdf/diario_hospicio_cemiterio_vivos.pdf
- CARRERO, J. V. Porto. Relatório apresentado ao 3º Congresso Brasileiro de Neurologia, Psychiatria e Medicina Legal. Rio de Janeiro, 1929. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, São Paulo, ano V, n.3, p.154-157, set. 2002. Online. Capturado em 06 mar. 2013. Disponível na Internet: http://www.psicopatologiafundamental.org/uploads/files/revistas/volume05/n3/a_contribuicao_brasileira_a_psicanalise.pdf
- CHRONICA e Noticias. Faculdade de Medicina da Bahia. Brazil-Médico. Revista Semanal de Medicina e Cirurgia, Rio de Janeiro, anno XVII, n.14, p.140, 8 abril 1903. In: Hemeroteca Digital Brasileira. Online. Capturado em 1 fev. 2013. Disponível na Internet:
http://hemerotecadigital.bn.br/o-brazil-medico/081272
- DADOS Biográficos do Prof. Juliano Moreira. Archivos Brasileiros de Medicina, Rio de Janeiro, ano III, p. 445-453, 1º sem., 1913.
- EL-BAINY, Estênio Iriart. Juliano Moreira. O mestre. A instituição. In: Memorial Juliano Moreira. Salvador, 2007. Online. Capturado em 1 fev. 2013. Disponível na Internet: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/juliano_moreira_mestre_instiuicao_p1.pdf
- FACCHINETTI, Cristiana; CUPELLO, Priscila; EVANGELISTA, Danielle Ferreira. Arquivos Brasileiros de Psiquiatria, Neurologia e Ciências Afins: uma fonte com muita história. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v.17, supl.2, p. 527-535, dez.2010. (BCOC)
- FUNDAÇÃO "Juliano Moreira". Archivos Brasileiros de Medicina, Rio de Janeiro, ano XVI, p. 472-473, 1926. (BMANG)
- GELMAN, Ester Ainda. Ecos de um nome: Juliano Moreira. O processo de recepção e divulgação de conhecimentos em Psiquiatria, Psicanálise e História das Ciências na passagem para o século XX. Salvador, 2006. Dissertação (mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências),Instituto de Física,Universidade Federal da Bahia e Universidade Estadual de Feira de Santana, 2006. Online. Capturado em 5 fev. 2013. Disponível na Internet: http://www.fis.ufba.br/dfg/pice/dissertacoes/ester2003.PDF
- HJM. HOSPITAL JULIANO MOREIRA. Trabalhos Escritos por Juliano Moreira. Online. Capturado em 1 fev. 2013. Disponível na Internet: http://www.saude.ba.gov.br/hjm/index.php?option=com_content&view=article&id=253&Itemid=181
- HJM. HOSPITAL JULIANO MOREIRA. Biografia. Online. Capturado em 7 fev. 2013. Disponível na Internet: http://www.saude.ba.gov.br/hjm/index.php?option=com_content&view=article&id=252&catid=118&Itemid=195
- JACOBINA, Ronaldo Ribeiro; GELMAN, Ester Aida. Juliano Moreira e a Gazeta Medica da Bahia. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 15, n. 4, p.1077-1097, dec. 2008. Online. Capturado em 31 jan. 2013. Disponível na Internet: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702008000400011"
- JACÓ-VILELA, Ana Maria (org.). Dicionário Histórico de Instituições de Psicologia no Brasil. Rio de Janeiro: Imago; Brasília, DF: CFP, 2011. (BN)
- JULIANO Moreira. Datilografado. Arquivo pessoal da Academia Nacional de Medicina. Rio de Janeiro: [s.n.], [s.d.]. (ANM)
- JULIANO Moreira. Archivos Brasileiros de Medicina, Rio de Janeiro, ano XXIII, n.4, p.143-144, abr. 1933. (BMANG)
- JUNQUEIRA FILHO, Luiz Carlos Uchôa. A Psicanálise no Brasil. Com Ciência.Revista Eletrônica de Jornalismo Científico, São Paulo, n. 4, out. 2000. Online. Capturado em 07 mai. 2003. Disponível na Internet: http://www.comciencia.br/reportagens/psicanalise/psique11.htm
- LIMA, Lamartine. Nina Rodrigues e a história da psiquiatria na Bahia. Gazeta Médica da Bahia, Salvador, n.1 (142), p.76-80, jan./jun. 2008. Online. Capturado em 11 mar. 2013. Disponível na Internet: http://www.gmbahia.ufba.br/index.php/gmbahia/article/viewFile/249/240"
- LOPES, José Leme. Juliano Moreira. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, ano 1964, v. 13, n.1, p.3-19, 1964.
- MOREIRA, Ildeu de Castro; VIDEIRA, Antonio Augusto Passos (orgs.). Einstein e o Brasil. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1995. (BN)
- MOREIRA, Juliano. Noticia sobre a evolução da assistência a alienados no Brasil pelo Dr. Juliano Moreira Director do Hospício Nacional de Alienados”. In: Relatorio apresentado ao Presidente da Republica dos Estados Unidos do Brazil pelo Dr. J. J. Seabra Ministro de Estado da Justiça e Negócios Interiores em março de 1905. v. II – Directoria do Interior. Primeira Parte. Annexo E. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1905. In: Relatórios Ministeriais (1821-1960). Obtido via base de dados PROJETO DE IMAGEM DE PUBLICAÇÕES OFICIAIS BRASILEIRAS DO CENTER FOR RESEARCH LIBRARIES E LATIN-AMERICAN MICROFILM PROJECT. Online. Capturado em 15 de fevereiro de 2013. Disponível na Internet: http://www.crl.edu/pt-br/brazil"
- NASCIMENTO, Fernanda Teles Morais do. IV Congresso Médico Latino-Americano (1909): proposições e desdobramentos para o desenvolvimento da enfermagem brasileira. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011. Online. Capturado em 7 fev. 2013. Disponível na Internet: http://www.unirio.br/propg/posgrad/stricto_paginas/site%COSTA, J.F. História da Psiquiatria no Brasil. Editora Campus Ltda., Rio de Janeiro, 1981. 20Enfermagem/SiteENFv3/dissertacoes/Dissertacoes%202011/dissertacao_Fernanda_Teles_Capa_dura.pdf
- ODA, Ana Maria Galdini Raimundo. A teoria da degenerescência na fundação da psiquiatria brasileira: contraposição entre Raimundo Nina Rodrigues e Juliano Moreira. Psychiatry On-line Brazil, v.6, n.12, dez. 2001. Online. Capturado em 09 abr. 2003. Disponível na Internet: http://www.polbr.med.br/ano01/wal1201.php
- ODA, Ana Maria Galdini Raimundo; Piccinini, Walmor. Dos males que acompanham o progresso do Brasil: a psiquiatria comparada de Juliano Moreira e colaboradores. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, São Paulo, v.VIII, n.4, p.788-793, 2005. Online. Capturado em 4 fev. 2013. Disponível na Internet: http://redalyc.uaemex.mx/redalyc/pdf/2330/233017491014.pdf
- OLIVEIRA, Carmen Lucia Montechi Valladares. A recepção das idéias psicanalíticas no Brasil (1915-1937). In: VI CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOPATOLOGIA FUNDAMENTAL.05 a 08 set. 2002, Recife. Anais. Online. Capturado em 09 abr. 2003. Disponível na Internet: http://www.unicap.br/pathos/vicongresso/anais/Co01.PDF
- PASSOS, Alexandre. Juliano Moreira (vida e obra). Rio de Janeiro: Livraria São José, 1975. (ANM)
- PEIXOTO, Afrânio. Um sábio, mestre e amigo. Archivos Brasileiros de Medicina, Rio de Janeiro, ano XXIII, p. 179-196, 1933. (BMANG)
- PERESTRELLO, Marialzira. História da Sociedade Brasileira de Psicanálise do Rio de Janeiro. Suas Origens e Fundação. Rio de Janeiro: Imago, 1987. (BN)
- PICCININI, Walmor J. Juliano Moreira – um brasileiro extraordinário. Psychiatry On-line Brazil, v. 7, n. 7, jul. 2002. Online. Capturado em 09 abr. 2003. Disponível na Internet: http://www.polbr.med.br/ano02/wal0702.php
- PINHO, A. Rubim. Juliano Moreira. Sinopse Psiquiátrica. [Salvador]: Universidade Federal da Bahia, ano II, nº 2, out., 1978. (ANM)
- PROFESSOR Juliano Moreira. Archivos Brasileiros de Medicina, Rio de Janeiro, ano XIV, p. 766, 1924. (BMANG)
- PROFESSOR Juliano Moreira. Arquivos do Manicômio Judiciário do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, ano IV, ns.1 e 2, p.2-20, 1º e 2º semestres, 1933.
- RELATÓRIO da Commissão de Inquerito sobre as condições da Assistencia a Alienados no Hospicio Nacional e colonias da Ilha do Governador. In: RELATORIO apresentado ao Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo Dr. J.J.Seabra, Ministro de Estado da Justiça e Negocios Interiores em abril de 1903. Anexo B. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1903. In: Relatórios Ministeriais (1821-1960). Obtido via base de dados PROJETO DE IMAGEM DE PUBLICAÇÕES OFICIAIS BRASILEIRAS DO CENTER FOR RESEARCH LIBRARIES E LATIN-AMERICAN MICROFILM PROJECT. Online. Capturado em 9 de fevereiro de 2004. Disponível na Internet: http://www.crl.edu/pt-br/brazil
- RELATORIO apresentado ao Exm. Sr. Dr. J. J. Seabra Ministro da Justiça e Negócios Interiores pelo Dr. Afrânio Peixoto Director Interino do Hospício Nacional de Alienados. 1904-1905. In: RELATORIO apresentado ao Presidente da Republica dos Estados Unidos do Brazil pelo Dr. J. J. Seabra Ministro de Estado da Justiça e Negócios Interiores em março de 1905. v. II – Directoria do Interior. Primeira Parte. Annexo E. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1905. In: Relatórios Ministeriais (1821-1960). Obtido via base de dados PROJETO DE IMAGEM DE PUBLICAÇÕES OFICIAIS BRASILEIRAS DO CENTER FOR RESEARCH LIBRARIES E LATIN-AMERICAN MICROFILM PROJECT. Online. Capturado em 15 de fevereiro de 2013. Disponível na Internet: http://www.crl.edu/pt-br/brazil"
- RELATÓRIO apresentado ao Presidente da República dos Estados Unidos do Brazil pelo Ministro de Estado da Justiça e Negocios Interiores Dr. Augusto Tavares de Lyra em março de 1909. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1909. In: Relatórios Ministeriais (1821-1960). Obtido via base de dados PROJETO DE IMAGEM DE PUBLICAÇÕES OFICIAIS BRASILEIRAS DO CENTER FOR RESEARCH LIBRARIES E LATIN-AMERICAN MICROFILM PROJECT. Online. Capturado em 15 de fevereiro de 2013. Disponível na Internet: http://www.crl.edu/pt-br/brazil
- RIOS, Venétia Durando Braga. O Asylo de São João de Deos: as faces da loucura. São Paulo, 2006. Tese (Doutorado em História Social), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2006. Online. Capturado em 8 fev. 2013. Disponível na Internet: http://www.sapientia.pucsp.br//tde_busca/arquivo.php?codArquivo=4274
- SANTO, Tiago Braga do Espírito. Gênero e Enfermagem: reafirmação de papeis sociais na seção feminina da Escola Profissional de Enfermeiros e Enfermeiras (1920-1921). São Paulo, 2012. Tese (Doutorado em Enfermagem), Escola de Enfermagem, USP, 2012. Online. Capturado em 06 mar. 2013. Disponível na Internet: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7140/tde-09052012-124247/pt-br.php
- SOCIEDADES Medicas. Sociedade Brasileira de Neurologia, Psychiatria e Medicina Legal. Archivos Brasileiros de Medicina, Rio de Janeiro, ano XVIII, n.12, p. 930-931, dez.1928. (BMANG)
- VASCONCELOS, Fátima. Juliano Moreira, pioneiro da psiquiatria brasileira. Revista de Psiquiatria, Lisboa, v.XXI, n.3, p.178-187, set./dez. 2008. Online. Capturado em 13 fev. 2013. Disponível na Internet: http://www.abpbrasil.org.br/medicos/img/Setembro-Dezembro2008%20Revista.pdf
- VENANCIO, Ana Teresa A. As faces de Juliano Moreira: luzes e sombras sobre seu acervo pessoal e suas publicações. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n.36, p.59-73, jul./dez. 2005. In: Biblioteca digital FGV. Online. Capturado em 5 fev. 2013. Disponível na Internet: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2241
- VENANCIO, Ana Teresa A.; CARVALHAL, Lazara. Juliano Moreira: a psiquiatria científica no processo civilizador brasileiro. In: DUARTE, Luiz Fernando Dias; RUSSO, Jane; VENANCIO, Ana Teresa A. (orgs.). Psicologização no Brasil: atores e autores. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 2005a. p.65-83. (BCOC)
- VENANCIO, Ana Teresa A. Da colônia agrícola ao hospital-colônia: configurações para a assistência psiquiátrica no Brasil na primeira metade do século XX. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v.18, Supl.1, p. 35-52, dez. 2011. (BCOC)
- VENANCIO, Ana Teresa. Moreira, Juliano (1873 - 1933). In: CLIO-PSYCHÉ. Online. Capturado em 5 fev. 2013. Disponível na Internet: http://www.cliopsyche.uerj.br/arquivo/juliano.html

Início

 

 

FICHA TÉCNICA

Pesquisa - Atiele Azevedo de Lima Lopes, Maria Rachel Fróes da Fonseca.
Redação - Atiele Azevedo de Lima Lopes, Maria Rachel Fróes da Fonseca.
Revisão - Maria Rachel Fróes da Fonseca.
Colaborador - Ana Teresa A. Venancio.
Consultoria - Ana Teresa A. Venancio.

Início