Dicionário Histórico-Biográfico das Ciências da Saúde no Brasil (1832-1930)
Casa de Oswaldo Cruz / Fiocruz – (http://www.dichistoriasaude.coc.fiocruz.br)

 

 

REAL HORTO

Denominações: Real Horto (1808); Real Jardim Botânico (1818); Jardim Botânico da Lagoa Rodrigo de Freitas (1825); Jardim Botânico (1833); Jardim Botânico do Rio de Janeiro; Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro (1998)

 

 

HISTÓRICO
ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO
PUBLICAÇÕES OFICIAIS
FONTES
FICHA TÉCNICA

 

 

 

 

 

 

HISTÓRICO

Em fins do século XVIII configurou-se, na Europa, um amplo movimento de caráter reformista, fundamentado no racionalismo e no cientificismo, que pretendia modernizar a vida político-econômica da sociedade. O pragmatismo desse movimento foi transplantado de Portugal para o Brasil, especialmente durante a administração do Marquês de Pombal, quando a Coroa Portuguesa deu início à sua política de incentivo às produções naturais da colônia e ao estudo das ciências naturais, sobretudo a botânica. Foram adotadas inúmeras iniciativas para aumentar a produtividade da colônia, estimulando estudos e experiências com a aclimatação de espécimes novas. Nessa política de fomento e recuperação da economia portuguesa, que não mais detinha o monopólio do comércio de especiarias, D. Rodrigo de Sousa Coutinho, Ministro dos Negócios do Ultramar, incentivou o intercâmbio de plantas de diversas espécies entre os domínios portugueses, engrandecendo os cultivos já existentes e aclimatando os produtos oriundos de outros países.

Sob as ordens de D. Maria I, foi criado, em 1798, o primeiro jardim botânico no Brasil, o Jardim Botânico de Belém do Pará, devido à proximidade com a Amazônia, que vinha sendo alvo de inúmeras incursões para o estudo da botânica. De acordo com Segawa (1996), a Carta Régia de 4 de novembro de 1796, dirigida ao governador do Pará, concedia o pioneirismo na criação de um jardim botânico e "inaugurava oficialmente a política de implantação na colônia de uma série de estabelecimentos botânicos voltados para o intercâmbio de plantas úteis à economia portuguesa" (p.113). O Aviso Régio de 19 de novembro de 1798, remetido aos capitães-generais das capitanias de Pernambuco, Bahia, Minas Gerais e São Paulo, ressaltava a importância da criação de estabelecimentos congêneres ao horto de Belém.

Após a instalação da Família Real no Rio de Janeiro, em 1808, a preocupação com a defesa também vigorava na pauta dos assuntos políticos da Corte, fazendo com que o Príncipe Regente D. João ordenasse, por meio do Alvará s/nº, de 13/05/1808, a fundação de uma fábrica de pólvora no Rio de Janeiro, na área do antigo engenho de cana-de-açúcar que pertencia à família Rodrigo de Freitas. A origem do Real Horto é relacionada por vários autores, como João Barbosa Rodrigues (1908), Lavôr (1983) e Segawa (1996), a este alvará de estabelecimento da fábrica de pólvora em terras da Lagoa Rodrigo de Freitas (onde atualmente encontra-se o Jardim Botânico), embora este não explicitasse em seus termos a instalação de um jardim de aclimação naquele local (BRASIL. Decreto de 13 de maio de 1808).

A história do Real Horto vem sendo apresentada diretamente vinculada à história da fábrica de pólvora, considerando-se seu primeiro diretor, o general italiano Carlos Antonio Napion, como o primeiro diretor do Real Horto. Outros autores, como Max Fleiuss (1922), afirmam que o primeiro diretor da Fábrica de Pólvora foi João Gomes da Silveira Mendonça (futuro Marquês de Sabará), e que este anexou um pequeno horto à fábrica, dando origem ao Real Horto.

Entretanto, já o Alvará de 01/03/1811, que criou a Real Junta de Fazenda dos Arsenais, Fábricas e Fundição, ao determinar as atribuições do Presidente desta Junta, referiu-se claramente ao estabelecimento de um jardim botânico em terras da Lagoa Rodrigo de Freitas:

"dirigindo também um estabelecimento de um jardim botânico da cultura em grande de plantas exóticas que mando se haja de formar na dita fazenda da Lagoa e de que será encarregado, debaixo de suas ordens, o Deputado Vice Inspetor dela, promovendo a cultura das moscadeiras, alcanforeiras, cravos da India, canela, pimenta, e os cactos com a cochonilha; fazendo-se as necessárias experiências, para vir a conhecer-se o melhor meio de as cultivar e propagar, e de levar ao maior grau de perfeição possível a plantação dos bosques artificiais de madeiras de lei como são parobas, tapinhoãs, canelas, vinháticos, tecas, etc." (BRASIL. Alvará de 1º de março de 1811)

 

 

 



Em 13 de junho de 1808, D. João, por meio de uma série de decretos, incorporava à Coroa o engenho e terras da Lagoa de Rodrigo de Freitas, tomava posse daquela área e destinava recursos para a fábrica de pólvora.

Segundo João Conrado N. de Lavôr (1983), o referido jardim de aclimação, na Lagoa Rodrigo de Freitas, passou a ser denominado Real Horto em 11 de outubro de 1808. De acordo com Segawa (1996), existem também referências de que este espaço recebera também o nome de Real Quinta e Jardim da Lagoa Rodrigo de Freitas. Tais menções podem ser encontradas nos escritos de Luís Gonçalves dos Santos (1825-1826), um importante cronista do cotidiano colonial.

As primeiras espécies de plantas exóticas foram introduzidas no recém- criado horto por iniciativa de Luiz de Abreu Vieira e Silva, capitão da fragata portuguesa "Princeza do Brazil", naufragada em Goa, na Índia, em 1809. Os sobreviventes do naufrágio foram aprisionados pelos franceses e enviados para a Ilha de França (atualmente Ilhas Maurício), onde havia um jardim botânico, repleto de plantas de estimado valor econômico. Tendo fugido de volta para o Brasil, Luiz de Abreu trouxe consigo mudas e sementes de abacateiros, moscadeiras, frutas-pão, cajazeiras, sagüeiros e da Palma Mater (de onde descendem todas as palmeiras- imperiais do Brasil), que foram presenteadas a D. João e imediatamente aclimatadas no Real Horto. Em 1812, Raphael Bottado de Almeida, também refém dos franceses, enviou as primeiras sementes de chá, logo cultivadas por colonos chineses que aqui desembarcaram para ensinar a preparação do produto. A produção teve tanto êxito que se chegou a empreender o cultivo para exportação, porém a investida não obteve sucesso, ficando a produção de chá destinada somente para consumo interno. A variedade de culturas do Real Horto foi ainda enriquecida por João Severiano Maciel da Costa (Marquês de Queluz), que trouxe de Caiena, capital da Guiana Francesa, mudas de cana-caiena, mais conhecida no Brasil por cana-caiana.

Em 1810, foi contratado o botânico Kancke para a direção das culturas de plantas exóticas dos Reais Jardins e Quintas e para a descrição da flora brasileira, demonstrando assim a preocupação em registrar e explorar o potencial econômico das espécies que estavam sendo cultivadas. O governo português estimulava a cultura de plantas úteis à economia com premiações àqueles que obtivessem sucesso na aclimatação de especiarias da Índia e de regiões indígenas do Brasil, além de promessas de isenção de tarifas alfandegárias às fazendas que se dispusessem a importar instrumental agrícola para desenvolver tal atividade.

Em 1811, foram desapropriadas as benfeitorias da Lagoa de Rodrigo de Freitas, então pertencentes à Fábrica de Pólvora, deixando o Real Horto de ser um simples canteiro de aclimatação e apêndice da Fábrica.

O Real Horto, segundo João Lavôr (1983), passou a ser denominado Real Jardim Botânico em 1818, após a coroação de D. João como Rei do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves. O Decreto s/nº, de 11/05/1819, determinou o aumento do jardim para plantas exóticas estabelecido na Lagoa Rodrigo de Freitas e anexou-o ao Museu Real, o qual arcaria com as despesas. Alguns anos depois, o estabelecimento foi desvinculado do Museu, e em 22 de fevereiro de 1822 passou a subordinar-se à Secretaria de Estado dos Negócios do Reino.

Até 1824, os vice-diretores da Fábrica de Pólvora eram conseqüentemente os diretores do Jardim Botânico. Naquele ano, assumiu a direção da entidade Frei Leandro do Sacramento, o primeiro diretor nomeado, e o Jardim Botânico deixou de ser um simples jardim de aclimatação de plantas para ser uma instituição voltada para a causa científica. Doutor em Ciências Naturais pela Universidade de Coimbra e professor de botânica da Academia Médico-Cirúrgica do Rio de Janeiro, Frei Leandro imprimiu uma nova dimensão ao Real Jardim Botânico, realizando pesquisas, experimentações, catalogação, classificação e introdução de novas espécies como mangueiras, nogueiras e pitombeiras. Contudo, após seu falecimento em 1829, o Jardim Botânico perdeu seu potencial científico e permaneceu como jardim de passeio durante trinta anos, quando então assumiu a direção Frei Custódio Alves Serrão, que retomou as atividades empreendidas por seu antecessor. Os períodos de 1823-1829 e 1859-1861, referentes à administração de ambos, são tidos como marcos na história da pesquisa científica do Jardim Botânico.

A Lei de 24/10/1832, que orçou a receita e despesa do Império para o período 1833-1834, destinou recursos para o Jardim Botânico da Lagoa Rodrigo de Freitas, assim referido, incluindo a despesa com seus escravos, e determinou que ficassem incorporados a este os edifícios e terrenos pertencentes à fábrica de pólvora. A fábrica de pólvora funcionou até 1826 naquele local e foi posteriormente transferida para a Vila Inhomirim , na Serra de Petrópolis (LAVÔR, 1983). O Relatório do Ministro e Secretário do Estado dos Negócios do Império, Nicolau Pereira de Campos Vergueiro, em 1833, sugeria o estabelecimento de uma escola prática de agricultura naquele estabelecimento, aproveitando-se destes terrenos arrendados, a qual ainda em 1853 era objeto de reivindicação (OLIVEIRA, 1853).

Em 1837, o Ministro Antônio Paulino Limpo de Abreo em seu Relatório recomendou ao diretor do Jardim Botânico da Lagoa Rodrigo de Freitas a cultura das principais plantas de uso medicinal, enfatizando sua importância para o ensino da botânica médica, presente nas faculdades de medicina da época. Enfatizava, ainda, que a botânica médica dependia tanto do ensino teórico quanto do prático, o qual se adquiria pela observação e pelo exame dos exemplares nos próprios lugares em que vegetam, sendo então importante a reunião do maior número possível de plantas em um mesmo lugar, de modo a favorecer o ensino (RELATÓRIO, 1837). Em 1842, o Governo, objetivando aperfeiçoar o empreendimento, nomeou uma comissão de pessoas "mui inteligentes" (RELATÓRIO, 1847), presidida pelo naturalista Custódio Alves Serrão, que emitiu parecer no sentido de que deveriam ser feitos alguns melhoramentos naquela instituição:

- um maior desenvolvimento da cultura das plantas florestais;

- cultura das árvores frutíferas, das plantas alimentícias e medicinais;

- introdução dos prados artificiais com o destino especial da ceifa;

- criação do gado lanígero, do sirgo e de abelhas;

- melhoramento das carvoarias, da confecção da potassa e da experimentação das nitreiras artificiais;

- anexação à administração do Jardim das florestas e terrenos nacionais vizinhos.

Entretanto, tais melhoramentos não foram implementados por terem sido considerados incompatíveis com o estado das finanças da instituição (RELATÓRIO, 1848).

Na gestão de Cândido Baptista de Oliveira, de 1851 a 1859, houve algumas tentativas para incrementar o funcionamento da instituição, como a Fábrica de Chapéus de Chile ou imitação de Chile, que teve duração efêmera, sendo retomada em 1867 com a participação do contramestre peruano José Assuncion Rengifo (FLEIUSS, 1922). Estes chapéus eram confeccionados com a palha de uma palmeira do Peru, chamada Bomobonassa ou Bombonaji. Na gestão de Baptista de Oliveira foi contratado o peruano Gregório Padilha para implantar a fábrica de chapéus, trazendo a palha de boa qualidade, já preparada, e raízes da planta para serem cultivadas. No Relatório apresentado ao Governo em 1856, afirmava-se que o referido peruano estava ensinando o ofício a dez escravos menores, e que tão logo a plantação daquelas raízes fornecesse palha suficiente, poder-se-ia instalar uma fábrica permanente. No entanto, o Relatório de 1858 informou que a palha produzida ainda não estava sendo totalmente utilizada no preparo dos chapéus em decorrência do despreparo do mestre, fazendo com que fosse mandado contratar um homem para tal fim no Amazonas.

Cândido Baptista de Oliveira defendeu, em 1853, a necessidade de se fornecer, além do sustento e vestimenta, uma pequena remuneração pecuniária aos escravos (67) que lá prestavam serviços. Assim descreveu Baptista de Oliveira o pessoal empregado no Jardim Botânico:

"além de um escriturário, do cirurgião e do feitor, acham-se empregados no serviço permanente deste estabelecimento os escravos da Nação, e africanos livres: a saber, 67 escravos de ambos os sexos, e de todas as idades, e 7 africanos livres, dos quais deduzindo os menores de 14 anos e os inválidos, ficam somente para o trabalho ativo e pesado, 18 escravos e 4 africanos livres, ao todo 22 trabalhadores, entre homens e mulheres" (RELATÓRIO, 1856).

 

 




Custódio Alves Serrão, diretor do Jardim entre 1859 e 1861, procurou implementar medidas que reorganizassem aquela instituição, retomando a classificação dos vegetais lá cultivados e promovendo a plantação de árvores que fornecessem madeiras de lei.

Em 1860, Frederico Leopoldo Cezar Burlamaque, então diretor do Imperial Instituto Fluminense de Agricultura, apresentou a esta entidade uma moção reivindicando a administração do Jardim Botânico da Lagoa Rodrigo de Freitas. Em 17 de agosto de 1861, foi assinado um contrato entre o Governo Imperial e o Imperial Instituto Fluminense de Agricultura, determinando que a administração daquele Jardim Botânico passasse para o referido Instituto, cuja direção tinha o interesse em fundar ali um estabelecimento agrícola propício, denominado Asilo Agrícola da Fazenda Normal, que serviria de escola prática e de modelo às fazendas de cultura de especiarias, no qual seriam ensaiados os processos de agricultura mais aperfeiçoados (RELATÓRIO, 1862). A direção do Jardim Botânico da Lagoa Rodrigo de Freitas, a partir deste contrato, coube a Frederico Leopoldo Cezar Burlamaque, e a direção das culturas foi confiada a Hermann Herbster.

Segundo João Barbosa Rodrigues (1908), em 1863 foi contratado Karl Glasl, professor de agronomia em Viena, para dirigir a escola prática, que acabou assumindo a direção do Jardim Botânico. A escola foi inaugurada em 21 de junho de 1869, sendo seu diretor Antônio Francisco Laczynski, e tinha como compromisso instruir órfãos encaminhados pela Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro e iniciá-los nos trabalhos agrícolas. A associação entre o Jardim Botânico e o Imperial Instituto significou também a extinção da mão-de-obra escrava utilizada nos cultivos, que foi substituída por trabalhadores livres.

Não foram poucos os descontentes com a subordinação do Jardim Botânico ao Imperial Instituto Fluminense de Agricultura. Custódio Alves Serrão, diretor na ocasião, ao tomar conhecimento do fato demitiu-se do cargo. Além disso, foram inúmeras as dificuldades de levar adiante o empreendimento, e a própria direção do Imperial Instituto alegava que a manutenção da escola consumia todo o capital disponível. Vencendo as dificuldades impostas pelos escassos recursos, o Asilo Agrícola da Fazenda Normal, lá estabelecido, teve considerável desenvolvimento. Por volta de 1874, abrigava um laboratório para análises químicas agrícolas, viveiros de plantas, cultura de bicho-da-seda, oficinas de serralheria e carpintaria e fábrica de chapéus de palha, conhecidos na época por chapéu-chile. O laboratório de química, abandonado por um período e retomado naquele ano, realizava análises de canas, terras e algumas plantas, tendo em sua direção Daniel Henninger, que foi substituído, em 1880, por Otto Linger.

Finalmente, em 25 de março de 1890, pela Decisão nº 61, a união entre o Jardim Botânico e o Imperial Instituto Fluminense de Agricultura foi desfeita. Naquele mesmo ano o Jardim Botânico passou por uma reorganização que possibilitou a retomada de suas características de instituição científica. Neste processo, o naturalista João Barbosa Rodrigues, que já havia fundado e administrado o Museu Botânico do Amazonas, assumiu o cargo de diretor e, valendo-se de sua comprovada experiência nos assuntos concernentes à gerência de um estabelecimento voltado ao estudo da botânica, promoveu o desenvolvimento da área de pesquisas. Em sua gestão, ficava estabelecido que o Jardim Botânico (decreto nº 518, de 23/06/1890), deixaria de ter como único objetivo o lazer, passando a se dedicar fundamentalmente ao estudo da botânica. As coleções de plantas vivas foram aumentadas, novos terrenos foram aterrados e ajardinados, e foram criados o herbário, o museu e a biblioteca. As plantas foram classificadas e etiquetadas, e a flora brasileira ocupou espaço preponderante no Jardim Botânico. Após o falecimento de Barbosa Rodrigues, seu filho, João Barbosa Rodrigues Júnior, assumiu interinamente a direção até 1910.

As pesquisas científicas continuaram sendo importantes para a direção da instituição, tendo destaque no Relatório do Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio de 1926:

"As explorações e pesquisas científicas da nossa flora, com objetivos principalmente econômicos e especulativos, continuam a preocupar a direção do Jardim Botânico, de acordo com a sua missão. Para tanto, percorrem seus naturalistas as regiões florísticas do país, que oferecem maior interesse à botânica aplicada, investigando in loco, coletando material, não só para estudo sistemático, mas ainda, para ensaios de aclimação, seleção e apuro de produtos de valia agrícola e industrial" (RELATÓRIO, 1928)

 

 





Entretanto, o mesmo Relatório destacou a carência de profissionais e de áreas para o arboretum, e a insuficiência das acomodações dos laboratórios, dos herbários, do museu e da biblioteca. Os estudos de fisiologia, morfologia, genética e botânica econômica, em decorrência das deficiências citadas, não conseguiam corresponder às exigências dos institutos de botânica da época, ou seja, funcionar como os mais importantes centros para a exploração econômica da riqueza natural.

Em 1927, o serviço de expedição de publicações do Jardim Botânico para o interior e o exterior do país expandiu-se, enviando mais de mil exemplares entre os quais: os periódicos Archuivos do Jardim Botânico, e O Cambuci, e os livros "Relação das Plantas Expostas em 1908" e o "Manual das Famílias Naturais Fanerogamas". Naquele mesmo ano, na seção Estudos de Laboratório, funcionou um curso de botânica para os alunos da 1ª série do curso de Farmácia da Faculdade de Medicina da Universidade do Rio de Janeiro, durante três meses, dirigido pelo naturalista viajante interino Luiz Gurgel de Souza Gomes. Além disso, na seção de Botânica e Fisiologia Vegetal destacou-se a excursão de seu chefe, o zoólogo e botânico Adolpho Ducke, pela região amazônica para coleta de exemplares botânicos (RELATÓRIO, 1929). Em contrapartida, ainda no ano de 1927, o Jardim Botânico perdeu parte de sua área para o Jockey Club, contrariando a vontade de seu diretor Antônio Pacheco Leão.

A Estação Biológica de Itatiaia, uma dependência do Jardim Botânico, a cargo de Paulo de Campos Porto, apresentou "considerável desenvolvimento" em 1927, iniciando uma coleção entomológica e uma biblioteca especializada. O Dr.J. Holt permaneceu oito meses nesta Estação, realizando um estudo da fauna regional, e publicou nos Estados Unidos, em 1928, o trabalho "An ornithological survey of Serra do Itatiaya, Brazil" (RELATÓRIO, 1929).

Após um período "em que o Jardim Botânico passou por fase instável de desenvolvimento" (LAVÔR, 1983, p.16), as direções seguintes, de Antônio Pacheco Leão (1915-1931) e de Achiles Lisboa (1931-1934), ocuparam-se sobretudo da parte científica, da publicação de trabalhos e do parque.

Diretores:

Carlos Antonio Napion (1808); João Gomes da Silveira Mendonça (Marquês de Sabará, 1808-1819); João Severiano Maciel da Costa (1819-1824); Frei Leandro do Sacramento (1824-1829); Bernardo José de Serpa Brandão (1829-1851); Cândido Baptista de Oliveira (1851-1859); Frei Custódio Alves Serrão (1859-1861); Frederico Leopoldo Cezar Burlamaque (1861-1862); Joaquim de Souza Lisboa (1862-1863); Karl Glasl (1863-1883); Nicolau Joaquim Moreira (1883-1887); Pedro Dias Gordilho Paes Leme (1887-1890); Joaquim Campos Porto (1890); João Barbosa Rodrigues (1890-1892); João Ribeiro de Almeida (1893-1897); João Barbosa Rodrigues (1898-1902); João Joaquim Pizarro (1902-1903); Guilherme Schüch de Capanema (Barão de Capanema, 1903); João Barbosa Rodrigues (1903-1909); João Barbosa Rodrigues Júnior (1909-1910); José Félix da Cunha Menezes (1910-1911); João Barbosa Rodrigues Júnior (1911); Graciano dos Santos Neves (1912); John Christopher Willis (1912-1915); Antônio Pacheco Leão (1915-1931); Achiles Lisboa (1931-1934).

Início

 

 

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

Em 1832, o Jardim Botânico da Lagoa Rodrigo de Freitas apresentava a seguinte estrutura administrativa: um diretor, dois jardineiros, um feitor dos escravos, um agente e 60 escravos de ambos os sexos. Os escravos recebiam pagamentos diários, viviam em construções no terreno em frente à residência do diretor do Jardim (em 1908) e tinham roças. Em 1853, havia 67 escravos e no ano seguinte eram em número de 80.

A abertura para visitantes só ocorreu em 1819, com a devida permissão do diretor e o acompanhamento de praças do corpo de Veteranos, pois antes era uma área praticamente particular, o local preferido de passeio de D. João VI. Tendo em vista o crescimento da freqüência ao Jardim Botânico, o regente Pedro de Araújo Lima (futuro Marquês de Olinda) instaurou um regulamento policial (decreto de 06/07/1838) que facilitasse a visita e também o estudo e a investigação das espécies ali existentes. O então denominado Jardim Botânico da Lagoa Rodrigues de Freitas, era franqueado ao público aos domingos, sendo protegido por uma guarda policial. João Barbosa Rodrigues (1908) ressaltou que esta guarda foi suspensa posteriormente pelo diretor, tendo em vista a ocorrência de distúrbios entre esta e os escravos que lá trabalhavam. O referido regulamento foi retomado e posto em prática a partir do Aviso nº 11, de 09/07/1890. O Jardim Botânico só foi franqueado diariamente ao público em 1870.

Pela reforma promovida pelo decreto nº 518, de 23/06/1890, competia à entidade o estudo da botânica, em particular da flora brasileira. Para este fim, deveria cultivar em jardins, viveiros e estufas todas as plantas que tivessem ou pudessem ter emprego na ciência, na agricultura, nas artes e na indústria, conservando-as devidamente classificadas. Foi criado um Museu Botânico que recolhia amostras da biodiversidade do Jardim, ao qual foram anexados o laboratório de análises orgânicas, o observatório meteorológico e a biblioteca.

O estabelecimento passou a dispor, em 1890, do seguinte pessoal: diretor, ajudante-secretário, naturalista viajante, jardineiro, chefe de culturas, porteiro, feitor-apontador, carpinteiro-pedreiro e mais 29 trabalhadores entre guardas e serventes. Ao diretor, que era nomeado por decreto do governo, competia estudar e classificar os vegetais que estivessem sob sua guarda; dirigir todo o trabalho de cultura e jardinagem; fazer o catálogo geral de todos os vegetais cultivados; estabelecer correspondência com as instituições congêneres estrangeiras; propor e fazer nomeações e demissões dos diversos empregados; representar ao Ministro da Agricultura sobre as providências que julgasse convenientes ao estabelecimento; assinar toda a correspondência oficial; e abrir e encerrar os livros da administração. O ajudante-secretário devia substituir o diretor em seus impedimentos; auxiliá-lo em todas as suas funções; ter a seu cargo toda a correspondência e escrituração; e conservar sob sua guarda, devidamente arquivados, todos os papéis da administração. Era atribuição do naturalista viajante a coleta, no interior do país, de plantas vivas e secas, frutos, e sementes e produtos vegetais acompanhados de informações e observações sobre os mesmos; quando não estivesse em serviço externo atuaria na conservação do herbário e dos produtos que existissem no museu. O jardineiro devia organizar e conservar a plantação de sementes em mudas, viveiros e estufas, de vegetais de ornamento, florestais, medicinais e industriais; dirigir o trabalho de plantio e de rega; e cuidar do embelezamento e conservação dos vegetais, do parque e do horto. Ao chefe das culturas cabia a organização de um campo de experiência para aclimatar e multiplicar as plantas; o estudo dos terrenos; o cultivo em grandes viveiros de plantas; e a coleta de sementes para serem distribuídas pelos estabelecimentos congêneres e pelos lavradores.

O art.24 deste regulamento determinou a nomeação de diversos correspondentes do estabelecimento nos estados, a fim de facilitar a aquisição de plantas: Francisco Ferreira de Lima Bacury (Amazonas); Manoel José Ribeiro da Cunha (Maranhão); Antônio Bezerra de Menezes, Catão Paes Mamede, Alfredo Dutra e Francisco de Almeida Monte (Ceará); João Antônio de Figueiredo (Paraíba); Alfredo Diniz Gonçalves (Bahia); Silvio Bastos e João Maximiano Leite Sampaio (Sergipe); Luiz Pereira Barreto (São Paulo) e Francisco de Aquino (Rio Grande do Sul).

O decreto nº 7.848 de 03/02/1910, que estabeleceu nova reorganização, dividiu o Jardim Botânico em duas partes para melhor atender a seus objetivos: o Arboretum, local de recreação, e o Jardim propriamente dito, destinado a pesquisas e subdividido em duas seções (botânica e agronômica) e dois laboratórios (de química agrícola e de ensaios de sementes e fisiologia vegetal). Estabeleceu também como compromisso da instituição a manutenção de um aprendizado de jardinagem, com duração de três anos, visando formar alunos entre doze e vinte anos para serem aproveitados nos serviços do próprio estabelecimento.

Por este decreto, o Jardim Botânico passou a ter uma estrutura de pessoal maior e mais elaborada: diretor (chefe da seção botânica), subdiretor (botânico-ajudante da 1ª seção), naturalista-auxiliar da 1ª seção, preparador-desenhista da 1ª seção, chefe da seção agronômica, ajudantes técnicos da 2ª seção, auxiliar da 2ª seção, chefe da seção de química agrícola, químico-ajudante da 3ª seção, preparador da 3ª seção, chefe do laboratório de ensaios de sementes e fisiologia vegetal, ajudantes-técnicos da 4ª seção, naturalistas viajantes, secretário-bibliotecário, escriturário, conservador do herbário e museu, jardineiro-chefe, feitor, porteiro, contínuo para o gabinete do diretor, serventes, conservador de placas, carpinteiro, pedreiro, carroceiro, guardas, jardineiros e trabalhadores.

As seções e laboratórios, pelo decreto de 1910, deviam ter a seu cargo serviços de sua especialidade científica. A seção de Botânica, que ficava sob a gerência do diretor do Jardim, compunha-se de herbários, museu botânico e florestal, jardins e estufas. A seção agronômica compreendia a silvicultura, arboricultura e fruticultura, campos de culturas econômicas, estudo agrícola e industrial de plantas têxteis e posto meteorológico. O Laboratório de Química Agrícola fazia a análise e estudo das terras e das rochas, dos diversos adubos e corretivos, e da aplicabilidade das plantas e frutos cultivados na indústria rural. O Laboratório de Fisiologia Vegetal e Ensaios de Sementes se encarregava de realizar pesquisas e experimentações relativas às funções normais das plantas e o exame do valor econômico dos grãos e sementes.

O Jardim Botânico recebeu novo regulamento em 1911, a partir do decreto nº 9.216, de 18 de dezembro, que pouco acrescentou ao anterior. Nele, foi abolida a seção agronômica, reduzido o limite de idade do aprendizado de jardinagem para 18 anos e abreviado o quadro de funcionários de 112 para 76, caindo para 34 pelo regulamento disposto no decreto nº 11.489, de 10/02/1915. Em 1916, foram anexados à instituição o Laboratório de Fitopatologia do Museu Nacional e o Horto Florestal.

Entre os anos de 1932 e 1938, o Jardim Botânico ficou subordinado ao Instituto de Biologia Vegetal, quando houve um incremento dos estudos na área de botânica, ampliando o seu quadro de pesquisadores. O Instituto configurou-se como uma instituição de pesquisa formada por uma diretoria, pela superintendência do Jardim, pela biblioteca, pelas seções de botânica, fitopatologia, genética e entomologia. Com a extinção do Instituto de Biologia Vegetal em 1938, aquela subordinação desfez-se. Em 30 de maio de 1938, a entidade foi classificada como monumento nacional e tombada pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).

Pela lei nº 9.649/98, de 27/05/1998, o Jardim Botânico adotou a denominação Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Início

 

 

PUBLICAÇÕES OFICIAIS

Com a preocupação de documentar os estudos realizados, o Jardim Botânico encontrou espaço para divulgar suas pesquisas, entre 1861 e 1869, na Revista Agrícola do Imperial Instituto Fluminense de Agricultura, justamente no período em que esteve vinculada a esta instituição.

Em função do regulamento de 1910, com a biblioteca do Jardim já franqueada ao público, foi prevista a publicação de uma revista semestral, na qual seriam publicados os resultados das pesquisas realizadas no estabelecimento e outros trabalhos que se voltassem a assuntos referentes às ciências naturais. No ano seguinte, estipulou-se que os estudos elaborados pelos pesquisadores da instituição seriam divulgados no Boletim do Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio.

Em 1915, na administração de Antônio Pacheco Leão, começou a edição dos Arquivos do Jardim Botânico, dando continuidade à política de divulgação de seus estudos científicos.

A partir de 1935, foi iniciada a edição da Revista Rodriguésia (em homenagem a João Barbosa Rodrigues, seu diretor de 1890 a 1909), uma publicação periódica de quatro números por ano, voltada para trabalhos em botânica e ciências correlatas.

Início

 

 

FONTES

- ALMEIDA, Luís Ferrand de. Aclimatação de Plantas do Oriente no Brasil Durante os Séculos XVII e XVIII. Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 1976.
- ARQUIVO NACIONAL. Base de Dados Mapa do Arquivo Nacional. (AN)
- BRASIL. Decreto de 13 de maio de 1808. Crêa uma Fabrica de Polvora nesta cidade. In: Collecção das Leis do Brazil de 1808-11. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1891. (BCCBB)
- BRASIL. Decreto de 13 de junho de 1808. Manda incorporar aos proprios da Corôa o engenho e terras da Lagôa Rodrigo de Freitas. In: Collecção das Leis do Brazil de 1808-11. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1891. (BCCBB)
- BRASIL. Decreto de 13 de junho de 1808. Manda tomar posse do engenho e terras da Lagôa Rodrigo de Freitas. In: Collecção das Leis do Brazil de 1808-11. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1891. (BCCBB)
- BRASIL. Decreto de 13 de junho de 1808. Manda contrahir um emprestimo para estabelecimento da Fabrica de Polvora. In: Collecção das Leis do Brazil de 1808-11. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1891. (BCCBB)
- BRASIL. Decreto de 25 de maio de 1810. Manda empregar o botanico Kancke como Director das culturas das plantas exoticas dos Jardins e Quintaes Reaes. In: Collecção das Leis do Brazil de 1810. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1891. (BCOC)
- BRASIL. Alvará de 1º de março de 1811. Crêa a Real Junta de Fazenda dos Arsenaes, Fabricas, e Fundição da Capitania do Rio de Janeiro e uma Contadoria dos mesmos Arsenaes. In: Collecção das Leis do Brazil de 1808-11. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1891. (BCCBB)
- BRASIL. Decreto de 11 de maio de 1819. Anexa o Jardim Botânico ao Museu Real. Collecção das Leis do Brazil de 1818-19. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1889. (BCCBB)
- BRASIL. Decreto de 22 de fevereiro de 1822. Manda que o Jardim Botanico fique debaixo da immediata sujeição e expediente da Secretaria de Estado dos Negocios do Reino. In: Collecção das Leis do Imperio do Brazil de 1822. Parte 1ª. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1887. (BCOC)
- BRASIL. Decisão nº69, em 21 de março de 1825. In: Collecção de Decretos, Cartas Imperiaes e Alvarás do Imperio do Brazil de 1825. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1885. (BCOC)
- BRASIL. Lei de 24 de outubro de 1832. Orça a receita, e fixa a despeza para o anno financeiro de 1833-1834. In: Collecção das Leis do Imperio do Brazil de 1832. Parte 1ª. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1906. (BCOC)
- BRASIL. Collecção das Leis do Império do Brasil de 1861, tomo XXII, parte I. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1862. (BCCBB)
- BRASIL. Decreto nº 518, de 23 de junho de 1890.Decretos do Governo Provisório de República dos Estados Unidos do Brazil de 1890, sexto fascículo, de 01 a 30 de junho. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1890. (BCCBB)
- BRASIL. Decreto nº 7.848, de 3 de fevereiro de 1910. Collecção das Leis da Republica dos Estados Unidos do Brazil de 1910, vol I. Actos do Poder Executivo. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1913. (BCCBB)
- BRASIL. Decreto nº 9.216, de 18 de dezembro de 1911. Collecção das Leis da Republica dos Estados Unidos do Brazil de 1911. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1915. v. IV. (BCOC)
- BRASIL. Decreto nº 11.484, de 10 de fevereiro de 1915. Collecção das Leis da Republica dos Estados Unidos do Brazil de 1915. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1917. v.II. (BCOC)
- DANTES, Maria Amélia M. (Org.). Espaços da Ciência no Brasil: 1800-1930. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2001. (BCOC)
- DEL BRENNA, Giovana Rosso; ARESTIZABAL, Irma (coord.). Rio Natureza. In: Rio - Guia para uma História Urbana. Rio de Janeiro: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, [1980?]. (BN)
- DIAS, Maria Odila da Silva. Aspectos da Ilustração no Brasil. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Rio de Janeiro, v. 278, p. 112, 1969. (IHGB)
- FLEIUSS, Max. História administrativa do Brasil. São Paulo: Companhia Melhoramentos de S. Paulo, 1922. (BFGV)
- FUNDAÇÃO Casa de Rui Barbosa. Governo presidencial do Brasil: 1889-1930. Guia administrativo da Primeira República. Poder Executivo. Brasília: Senado Federal, Pró-Memória; Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1985. (FCRB)
- INSTITUTO de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro. O Jardim Botânico Hoje - Histórico. Capturado em 05 de outubro de 2000. Online. Disponível na Internet http://jbrj.gov.br
- JOBIM, Leopoldo Collor. Os jardins botânicos e o fomentismo português no Brasil. In: Anais da III Reunião da Sociedade Brasileira de Pesquisa Histórica (SBPH). São Paulo, 1984.
- Um Estudo Sobre o Reformismo Agrário no Brasil do Século XVIII. Anais da III Reunião da Sociedade Brasileira de Pesquisa Histórica (SBPH). São Paulo, 1983.
- JOBIM, Tom; ARAÚJO, Zeka. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1988. (BJB)
- LAVÔR, João Conrado Niemeyer de. Histórico do Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 1983. (BN)
- ________________________________. Historiografia do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, no contexto da Fazenda Real da Lagoa Rodrigo de Freitas e seus desdobramentos. Rodriguésia. Rio de Janeiro, ano 35, n.57, p. 74-88, 1983. (MN)
- MUNTEAL, Oswaldo. Todo um Mundo a Reformar. Intelectuais, Cultura Ilustrada e Estabelecimentos Científicos na América Portuguesa, 1779-1808. Anais do Museu Histórico Nacional, Rio de janeiro, v. 29, 1997. (MHN)
- OLIVEIRA, Cândido Baptista de. Exposição do estado actual do jardim Botânico da Lagoa Rodrigo de Freitas. In: RELATÓRIO apresentado à Assembléia Geral Legislativa na 1ª sessão da 9ª legislatura pelo Ministro e Secretário do Estado dos Negócios do Império Francisco Gonçalves Martins. Rio de Janeiro: Typ. Nacional, 1853. (IHGB)
- RELATÓRIO apresentado à Assembléia Geral Legislativa Legislatura pelo Ministro e Secretário de Estado dos Negócios do Império Nicolau Pereira de Campos Vergueiro em Sessão Ordinária. Rio de Janeiro: Typographia Universal de Laemmert, 1833. (IHGB)
- RELATÓRIO apresentado à Assembléia Geral Legislativa na 4ª sessão da 9ª legislatura pelo Ministro e Secretário de Estado dos Negócios do Império Luiz Pedreira do Coutto Ferraz. Rio de Janeiro: Typ.Nacional, 1856. (IHGB)
- RELATÓRIO apresentado à Assembléia Geral Legislativa na 2ª Marquez de Olinda. Rio de Janeiro: Typ.Universal de Laemmert, 1858. (IHGB)
- RELATÓRIO apresentado ao Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo Ministro de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas Barão de Lucena em junho de 1891. Rio de Janeiro: Imp.Nacional, 1891. (IHGB)
- RELATÓRIO da Repartição dos Negócios do Império apresentado à Assembléia Geral Legislativa na sessão ordinária de 1837 pelo respectivo Ministro e Secretário de Estado Antônio Paulino Limpo de Abreo. Rio de Janeiro: Typographia Universal de Laemmert, 1837. (IHGB)
- RELATÓRIO da Repartição dos Negócios do Império apresentado à Assembléia Geral Legislativa na 4ª sessão da 6ª legislatura, pelo respectivo Ministro e Secretário de Estado Joaquim Marcellino de Brito. Rio de Janeiro: Typographia Universal de Laemmert, 1847. (IHGB)
- RELATÓRIO da Repartição dos Negócios do Império apresentado à Assembléia Geral Legislativa na 1ª sessão da 7ª legislatura, pelo respectivo Ministro e Secretário de Estado Visconde de Macahé. Rio de Janeiro: Typographia Universal de Laemmert, 1848. (IHGB)
- RELATÓRIO da Repartição dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas apresentado à Assembléia Geral Legislativa na segunda sessão da décima primeira Legislatura pelo respectivo Ministro e Secretário de Estado Manoel Felizardo de Souza e Mello, anexo G-H. Rio de Janeiro: Typographia Universal de Laemmert, 1862. (IHGB)
- RELATÓRIO do Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio apresentado ao Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo Ministro de Estado da Agricultura, Indústria e Comércio Geminiano Lyra Castro, ano de 1926. Rio de Janeiro: Imp. Nacional, 1928. (BN)
- RELATÓRIO do Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio apresentado ao Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo Ministro de Estado da Agricultura, Indústria e Comércio Geminiano Lyra Castro, ano de 1927. Rio de Janeiro: Typ. Do Serviço de Informações do Ministério da Agricultura, 1929. (BN)
- RODRIGUES, J. Barbosa. O Jardim Botânico do Rio de Janeiro: uma lembrança do 1º centenário (1808-1908). Rio de Janeiro: Off. da "Renascença" & E. Bevilacqua & Cia., 1908. (BJB)
- SANTOS, Luís Gonçalves dos (Padre Perereca). Memórias para servir á História do Reino do Brasil. Lisboa, 2 vols., 1825-1826. (BN)
- SEGAWA, Hugo. Ao Amor do Público – Jardins no Brasil. São Paulo: FAPESP, Studio Nobel, 1996. (BN)

Início

 

 

 

FICHA TÉCNICA

Pesquisa - Alex Varela; Atiele Azevedo de Lima Lopes
Redação - Alex Varela; Atiele Azevedo de Lima Lopes; MªRachel Fróes da Fonseca
Revisão - Francisco José Chagas Madureira.

Início